Idas ao dentista no Laos – Vang Vieng

1064 views

Ninguém gosta especialmente de ir ao dentista. Não há pessoa neste mundo que nutra um especial prazer por passar três quartos de hora de boca aberta, escancarada, a olhar diretamente para um foco de luz artificial enquanto um grupo de pessoas de touca verde, máscara e óculos sem graduação colocam objetos estranhos pela nossa cavidade bocal, comentando entre si ‘o sete é para revitalizar’ e ordenando-nos ‘bocheche, por favor’. Nós bochechamos, sim, mas não gostamos. Pelo menos eu não gosto, nem conheço ninguém que se entusiasme com a perspetiva de uma visita próxima ao dentista.

Pela minha experiência todas as idas ao dentista resultam numa situação constrangedora a que não podemos escapar. O dentista começa sempre por perguntar sobre os nossos hábitos de higiene oral, e qualquer resposta dada fica sempre aquém do desejável. ‘Lavo os dentes cinco vezes ao dia e passo fio dental a seguir a cada uma das refeições’ exclama o paciente de forma orgulhosa, como quem acaba de apresentar um trabalho na escola que sabe terá direito a nota máxima por parte da professora. ‘Cinco vezes não chega, devem ser sete e, para além de passar fio dental, deve ainda bochechar com o produto X, Y ou Z. Já agora, que pasta usa?’, devolve sempre o dentista com ar de pouca paciência.

Para além do desconforto proveniente de uma pouco disfarçada censura médica, parece sempre haver uma tentativa contínua de o dentista comunicar enquanto estamos deitados de boca aberta a bradar aos céus para que a consulta termine. Como está bom de ver, a resposta não passará nunca de um conjunto de grunhidos da parte do paciente. Grunhidos impercetíveis ao ouvido comum, é certo, mas que todos os que se encontram à volta da boca escancarada aparentam conseguir decifrar com extrema facilidade.

É por estas e por outras que não gosto de ir ao dentista. Não tenho nada contra dentistas. Só não gosto muito de ir às consultas. E a verdade é que se já não gosto muito de ir a consultas de dentista, imagine-se agora ser forçado a ir a consultas de dentista no centro do Laos, em Vang Vieng. Teriam que ser muitas e intensas as dores que me fizessem submeter a uma tão radical experiência. E na verdade foram-no.

Uma consulta de dentista numa pequena cidade do Laos foi uma experiência diferente. Não melhor, nem pior. Só diferente. Tal ficou a dever-se, pelo menos, a duas razões.

A primeira é que uma visita a um hospital público como o de Vang Vieng remete, de forma – assim não tão – estranha, para as antigas instalações do Hospital de São Marcos, em Braga. Poderia ser pior, não é? Admito que a probabilidade de apanhar uma qualquer infeção em pleno Sudeste Asiático seja maior que em Braga há uns quinze anos, mas a verdade é que sempre achei que ir ao dentista no Laos poderia ser bem pior que o que foi. Imaginava terrores e afinal vivi recordações. Quem diria?

Mas mais do que isso, ir a uma consulta de dentista em Vang Vieng é ainda diferente porque nenhum dos profissionais de saúde dentro da divisão sabe sequer dizer uma palavra em inglês, uma só que seja. Por seu turno, o paciente não consegue dizer mais do que duas ou três palavras na língua local. Quer isso dizer que não há tentativas de comunicação entre médicos e paciente, o que torna toda a experiência menos constrangedora. Como não conseguimos comunicar uns com os outros passa-se à frente o questionário sobre a higiene oral e vai-se direto à ação. Não há cá reprimendas nem julgamentos dissimulados, parte-se logo para o que interessa. Não é que afinal ir ao dentista no Laos não é assim tão aterrador?

Uma mão aponta para a cadeira onde é suposto o paciente se deitar e este não tem outra hipótese senão obedecer. Os seus olhos acompanham o dentista enquanto este se movimenta pelo consultório, tentando perceber se os instrumentos que vão ser utilizados estão a ser retirados de uma embalagem que garanta a sua esterilização. ‘Pelo menos está a usar luvas’, pensa-se. Abre-se a boca, aponta-se para o local onde se tem sentido o foco de dor, semicerra-se os olhos para evitar a cegueira provocada pela luz incandescente que se abate sobre os olhos desolados e preocupados de quem desejava não estar ali, e aguarda-se um comentário que, no íntimo de cada um, se sabe nunca vai chegar.

Durante todo o processo ouvem-se vozes que conversam numa língua impercetível. Detetam-se sorrisos no ar e conclui-se que a situação não deve ser tão grave assim. Depois de meia dúzia de toques no preciso lugar em que há umas horas habitava a expressão máxima do sofrimento, com um daqueles instrumentos de que ninguém sabe o nome técnico, sente-se um líquido a ser vertido. E não é que, miraculosamente, a dor passa de forma instantânea? Como se nunca tivesse existido.

Será que ficou tudo definitivamente resolvido? A resposta chega-nos aos ouvidos num inglês enferrujado proveniente do representante da seguradora que acompanhou toda a consulta e que, antes disso, conversou alegremente com o dentista. ‘Não está definitivamente resolvido, mas deve aguentar-se durante uns tempos’.

Saímos e respiramos o ar quente enquanto o sol nos banha a face. Quem diria ser possível sair de uma consulta de dentista no Laos com um sorriso no rosto?

Texto e Fotografia: João Barros

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar