Conheça Inês Duarte: Intérprete, Coreógrafa, Professora e Diretora criativa

591 views

Nascida em Portugal, Inês é uma artista de movimento, coreógrafa e diretora  criativa que, desde 2020, reside em Londres, no Reino Unido. Determinada a  expandir os seus horizontes nesta capital cultural do mundo, procura  incessantemente o crescimento artístico, maiores oportunidades e conexões com  outros artistas e influências no vasto universo das artes. Além de procurar  progressão na sua carreira como artista, aspira compartilhar o seu trabalho  criativo com o mundo.  

Como intérprete, colaborou com uma ampla variedade de clientes, artistas  musicais, marcas comerciais e grandes eventos, enriquecendo a sua carreira  com uma extensa experiência na indústria da performance. Como artista criativa,  concentra-se na perspectiva visual e nos detalhes que definem o movimento,  tornando-o único e cativante. Inicialmente, a artista desenvolveu o seu próprio  trabalho coreográfico com o objetivo de ensinar, mas rapidamente essa jornada  despertou uma paixão por dar vida a novas ideias, levando-a a reinventar-se a  cada momento criativo. Inês está dedicada a ultrapassar os limites do que é possível na dança e na performance, sempre em busca de novos desafios, ideias e formatos nunca antes  explorados.  

Com mais de 12 anos de experiência na área da dança, Inês continua a explorar novas formas e perspectivas  artísticas de expressão emocional e visual através de seus “concept videos”, que tem vindo a desenvolver há  alguns anos. O seu principal foco artístico é explorar as dimensões visuais e sensoriais da dança e do  movimento, bem como suas diversas formas de expressão em diferentes estilos de dança. A artista aprimorou a  sua experiência com foco principal na vibrante cultura das danças de rua.

Fotografia: Amy Cook  @amycook_photography

 

Como tudo começou?  

O meu percurso artístico foi uma jornada diversificada que experimentou várias formas de expressão. Além da  dança, explorei outras disciplinas. Inicialmente, mergulhei no mundo do ballet clássico quando tinha 5 anos,  depois, a minha curiosidade artística levou-me a explorar novos horizontes, incluindo a música. Cheguei a  aprender instrumentos como piano, guitarra e até mesmo bateria, uma paixão que ainda cultivo casualmente até  hoje. As minhas ambições artísticas foram amplas e variadas desde o início. Sonhei em ser cantora e até mesmo  em seguir uma carreira como artista plástica durante os meus estudos em artes visuais no ensino secundário. No  entanto, foi por volta dos 15/16 anos que descobri a minha verdadeira paixão e vocação. Foi nesse momento que  dei os primeiros passos no mundo da dança, iniciando aulas com algumas amigas que já praticavam e percebi  desde então que esta era a forma de arte que realmente me completava e me cativava.  

Porquê as danças de rua como principal escolha de especialização? 

Todos os estilos de dança têm uma origem e técnicas bastante   ricas, experimentei um amplo espectro dos mesmos desde a   dança clássica, jazz e contemporâneo – com os quais iniciei o   meu treino – para depois começar a arriscar participar nas aulas de HipHop e outros estilos de danças de rua como Popping, Locking, House, Breaking entre outros. Apaixonei-me absolutamente pela abordagem destas áreas, senti-me inspirada e motivada para aprender tudo o que envolve estes estilos de movimento, expressão bem como a expansão da sua cultura e a sua história. São áreas verdadeiramente interessantes não apenas pela sua abordagem criativa e artística mas principalmente pelas suas origens culturais, história social e política ao longo dos últimos 50/60 anos.

Senti também que estes estilos estavam ainda numa fase de  crescimento e desenvolvimento em Portugal, embora já houvesse pelo menos 1 ou 2 gerações de bailarinos de danças de rua no país, eram ainda poucos para poder espalhar  amplamente a mensagem, informação e credibilidade destes estilos. Num primeiro impacto com a dança, tive a  honra de aprender com grandes referencias portuguesas destas áreas, quis também visitar outros países e aprender com outros artistas e professores pois o meu interesse pelo Street Dance estava a crescer – viajei por  cidades como Paris, Londres, Estocolmo, Copenhaga, Nova Iorque, Los Angeles, entre outras – onde encontrei  mais conhecimento e aprendi com grandes referencias, especialistas e criadores destes estilos. Estas viagem  ajudaram-me a aprimorar o meu conhecimento técnico e teórico e, simultaneamente a aperceber-me do quão estamos a passar a mensagem corretamente em Portugal. Ao fim de contas as danças de rua são  essencialmente danças sociais e, por isso, a criação de uma comunidade que age como transporte desta  informação, conhecimento e cultura é essencial para a partilha de informação correcta e continuidade e  sobrevivência destes estilos de movimento.  

 

Inês em evento de Street Dance em 2015 a competir na categoria de  Popping 

(Sem referencia fotográfica)

 

Algum projecto ou performance que tenha sido especialmente significante?  

Houve alguns momentos referência para mim que me trouxeram um enorme grau de satisfação, sentido de  disciplina e cumprimento de objectivos, para salientar o que foi possivelmente o mais marcante: foi em 2018 e  tinham passado cerca de 6 anos desde que assisti pela primeira vez a uma crew (grupo de danças de rua) a  actuar no palco Street Dance do Rock In Rio, o nome desta companhia era Jukebox Crew – este grupo actuava  diariamente no festival e faziam cerca de 3 actuações por dia. Antes disto, nunca tinha assistido a nenhuma  equipa portuguesa a criar um show com base em estilos de street dance, ainda para mais num festival tão  conhecido – foi este momento que para mim definiu qual era a minha direcção principal como bailarina e que  queria fazer parte do mesmo tipo de espetáculo um dia. Depois de ingressar em aulas com elementos  pertencentes a esta companhia e criar óptimas ligações acabei por ser convidada pelo líder do grupo, Vasco  Alves, a entrar na equipa principal. Foi assim que em 2018 acabei por fazer parte do mesmo show residente no  palco street dance do Rock In Rio Lisboa e senti como que um “full circle moment” em que realizei um dos muitos  objectivos que criei desde que comecei a dançar.

 

Jukebox Crew | Palco Street Dance Rock In Rio Lisboa 2018 

Fotografia: Catarina Lima @catarinamlima

 

Processo criativo/procura de inspiração:  

Como qualquer outra capacidade, a criatividade é algo que se desenvolve com prática, tempo, paciência e maturidade. Recordo que quando decidi começar a desenvolver as minhas próprias criações não gostava nada do resultado e ainda hoje, bastantes vezes não sou a minha maior fã. Acredito que bastantes artistas se conseguem rever nesta afirmação, visto que um ser criativo é naturalmente crítico e usualmente perfeccionista. Ao longo dos anos experimentei pôr algumas ideias conceptuais em prática não só com o objetivo de leccionar a disciplina coreográfica dentro da minha área, mas também com a ambição de desenvolver trabalho coreográfico em formato de video. Desta vontade resultaram alguns videos conceptuais (individuais ou com colaboração/participação de outros artistas). Estes estão disponíveis para visualização através do meu website ou Canal de Youtube – em referência no final deste artigo. 

Screenshots de Videos conceptuais dirigidos por Inês Duarte  

Bailarinas: Raquel Fiúza / Annija Raibekaze 

Filmagem e edição de Liam Almeida @liam__studio

 

Criatividade e inspiração podem ter qualquer tipo de origem, do mais simples ao  mais complexo, de um lugar onde se planeia capturar algumas fotos por ser  esteticamente apelativo durante as férias até ao impressionante enredo e perspectivas de filmagem de uma obra prima cinematográfica, por exemplo.  Pessoalmente tenho estado bastante conectada e inspirada com moda, cores,  natureza, fotografia e composição fotográfica, tenho transferido esta expressão  para as minhas criações seja em formato de fotografia ou video.  

Acredito que a dança pode ser das áreas mais interessantes e completas dentro  da área artística, ao longo da minha jornada profissional encontrei-me em  variadas situações em que simplesmente tive de aprender a fazer o meu próprio  management como freelancer (desde contabilidade a comunicação com  clientes), ser a minha própria secretária e promotora, criar o marketing de todas  as minhas plataformas de partilha e de social media, desenhar um website de  raiz, fazer o styling para as minhas fotografias para agências ou para outros  propósitos como videos conceptuais, dirigir ou até muitas vezes assumir a  posição de videografia do projecto, para nomear algumas. Estas necessidades  de aprendizagem trazem consigo bastantes benefícios, entre eles, o  crescimento, aumento de capacidades e ganho de ferramentas de resolução de  problemas e de encontrar recursos onde eles não existem – a beleza da arte é a  forma como se entrelaça entre todos os seus ramos e nos deixa encontrar soluções onde antes não havia possibilidades e eu acredito profundamente que não há limitações para a arte e  que não precisamos de ser apenas um bailarino… 

 

Fotografia: Mafalda Ratola  @mechanicaldevil

 

Objectivos e projectos futuros:  

Entre os meus grandes objectivos de momento está a criação de um short film, tenho esta ideia em mente já há algum tempo e estou a juntar recursos e a fazer o plano criativo/story board de todo o projecto. Outro grande projecto em que estou neste momento a investir é na minha mudança de país, se tudo correr bem, irei em breve mudar-me novamente mas desta vez para uma zona mais quente do que Londres. Todos sabemos que quem cresceu com o sol de Portugal nunca se vai habituar muito ao tempo frio do Reino Unido e, por isso, decidi mudar-me para o lado quase oposto do planeta. Quando o momento chegar, irei finalmente revelar nas minhas redes sociais, até lá vou apenas deixar algum suspense.  

Fotografia: Sofia Tomic @all.so.visuals

 

Fotografias de

Amy Cook @amycook_photography  

Catarina Lima @catarinamlima  

Mafalda Ratola @mechanicaldevil  

Sofia Tomic @all.so.visuals  

 

Canal de Youtube: @inestavaresduarte4095 Instagram: @inesduartee_  

Website: www.inestavaresduarte.com 

Contactos: inesduarte.work@gmail.com Origem: Lisboa, Portugal  

Residente: Londres, Inglaterra  

 

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar