MERCADO LIVREIRO PORTUGUÊS CRESCE 5% EM 2023

1035 views

Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) destaca o crescimento em valor de 5% do sector em 2023, tendo em conta o mercado de livros em português, apenas de edições gerais e vendidos pelos retalhistas com lojas, medido pela GFK.

Depois de um crescimento de 16% em 2021 e de 15% em 2022, o mercado continua a sua tendência de crescimento, num sinal claramente positivo para o setor e que advém do aumento de livros comprados nas categorias com maior peso no mercado, nomeadamente a categoria de ficção, que cresceu 9% face a 2022; a categoria de ficção infantojuvenil, que cresceu também 9%; e a categoria de não ficção, com destaque para o crescimento da categoria de vida prática lazer e atualidades, que apresentou um crescimento de 4%, assim como para a categoria de livros de turismo, com um crescimento de 8%.

De acordo com o estudo que a GFK realiza todos os anos ao mercado livreiro nacional, mantemos a tendência de crescimento, embora de forma mais moderada. Mas não deixam de ser números positivos até porque estamos numa altura em que editores, livreiros e leitores se têm juntado para aumentar os índices de leitura e criarem o hábito de ler como banal”, refere Pedro Sobral, Presidente da APEL, acrescentando que “é agora fundamental que os decisores políticos apoiem e deem seguimento a este esforço da sociedade civil para que esta tendência positiva seja contínua e tenhamos finalmente os índices de leitura e literacia em Portugal na média da União Europeia.

A importância dos mais jovens e das redes sociais no crescimento do sector

De acordo com a análise efetuada pela APEL, e não tendo acesso a dados de venda em portais e-commerce e outras redes de venda (redes sociais, clubes de leitura etc.), constata-se que o mercado continua a crescer pela compra efetuada nas faixas etárias mais novas, nomeadamente na categoria de ficção, onde os livros que mais venderam são quase todos fenómenos alavancados nas e pelas redes sociais como, por exemplo, o Tik Tok.

Este crescimento nas faixas etárias mais jovens deve-se, também, às vendas na categoria de BD/Manga que, apesar de um peso pequeno no mercado, passou de um valor de cerca de 2% em 2019 para 5% em 2023, estando estável neste valor desde 2022. Houve igualmente um aumento na subcategoria do livro juvenil na categoria infantojuvenil.

Outra tendência notória é a maior preocupação dos pais, cuidadores e educadores em comprar livros como parte integrante do processo de crescimento e de educação e formação da criança, o que gerou um crescimento de 15% na subcategoria infantil.

Pedro Sobral afirma que “estes dados permitem-nos inferir qualitativamente que estão a ser formadas novas gerações de leitores e de compradores de livros para consumo próprio. Prevê-se que o mercado continue a apresentar uma taxa de crescimento positivo fruto desta nova vaga de leitores que continuarão a querer encontrar no livro a porta para uma visão mais crítica e capaz do mundo e também a ferramenta ideal para lidar com a complexidade e incerteza que nos rodeia.”

Canal de livrarias cresce face ao canal de grande distribuição

A APEL destaca ainda o menor peso do Top 10/Top 50 no mercado total e o maior peso do canal de livrarias, quer o em rede, quer em unidades próprias, que cresceu face ao canal de grande distribuição, confirmando a perda contínua de valor ao longo dos anos. “Registaram-se, de facto, maiores vendas no canal livreiro face à grande distribuição, local de excelência do livro e para quem tem o hábito regular da leitura e da compra de livros, refere Pedro Sobral.

Fragilidades que ainda imperam no sector

A APEL considera que esta é a altura ideal para resolver as fragilidades que ainda imperam no setor, quer através do cheque livro, que se espera uma realidade ainda neste primeiro trimestre e que ajudará a diminuir a barreira económica de acesso ao livro aos jovens residentes em Portugal, quer pela reforma da Lei do Preço Fixo para potenciar esta preferência pelas livrarias, possibilitando a sobrevivência de mais livrarias pelo país e de mais projetos livreiros capazes de minorar a dificuldade de acesso ao livro em muitas zonas do País. Outra questão imperativa é a existência de orçamentos capazes e robustos para aquisição de livros quer para as bibliotecas municipais e locais como para as bibliotecas escolares.

Fonte: Lift.com.pt

 

 

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar