Comunas ou Concelhos – António Borges Coelho

579 views

Existiu um movimento concelhio peninsular, não no sentido de política administrativa ou de organização do território impulsionada de cima por monarcas e senhores mas no de forças sociais e políticas organizadas de baixo e por fim vitoriosas?
Estaria a resposta nos forais, esses «livros de linhagens» da liberdade popular?
A quem a iniciativa destes monumentos jurídicos?
À aristocracia senhorial?
Visariam os forais fins exclusivamente económicos, fiscais e administrativos, na intenção expressa de povoar e defender o território, ou resultariam, tácita ou abertamente, desse movimento que irrompe de baixo?
Isto é, o movimento concelhio impôs-se ou não com o impacto e as armas de uma verdadeira revolução?
Não é o que inculcam as transformações sociais que se escondem por trás do formulário jurídico?
Mas acaso os concelhos teriam alcançado a força de órgãos do poder político?
Constituiriam verdadeiras comunas?
O que se entende por comuna?
De que classe ou classes serão então estas comunas ou concelhos o instrumento?
Mas haveria mesmo classes sociais ou apenas ordens? Constituiriam comunas todos os concelhos?
Que acontecimentos são marcados pela mesma força?
Por exemplo, que relações tem o movimento concelhio com os episódios da Reconquista?
Que esclarecem eles sobre o povoar e o ermar?

Fonte: Leya

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar