ROMANCE «SUA EXCELÊNCIA, DE CORPO PRESENTE», DE ANGOLANO PEPETELA, VENCEDOR DO PRÉMIO LITERÁRIO CASINO DA PÓVOA 2020

411 views

“Uma crítica mordaz ao abuso de poder e aos sistemas de governo totalitários disfarçados de democracias, escrita com um sentido de humor inteligente, e em que qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência.”

 

ROMANCE «SUA EXCELÊNCIA, DE CORPO PRESENTE», DO ESCRITOR ANGOLANO PEPETELA, VENCEDOR DO PRÉMIO LITERÁRIO CASINO DA PÓVOA 2020

Foi com imensa alegria que a LeYa e a Dom Quixote acolheram esta manhã a notícia da atribuição do Prémio Literário Casino da Póvoa ao romance «Sua Excelência, de Corpo Presente», do escritor angolano Pepetela, durante a cerimónia inaugural do Correntes d’Escritas, na Póvoa de Varzim. Parabéns ao autor!!

 

O livro conta a conturbada história das últimas décadas de um país africano, recordada pelo seu presidente defunto. Num enorme salão cheio de flores, deitado num caixão forrado a cetim branco, jaz um ditador africano. Está morto, mas vê, ouve e pensa. Vê os que lhe foram prestar uma última homenagem (ou certificar-se de que morreu), ouve as suas conversas e sussurros, e pensa… pensa muito, sobre tudo o que o rodeia, em como chegou àquela situação e no que se lhe seguirá. Assim estirado, aprisionado num corpo sem vida, mas na posse das suas faculdades intelectuais, só lhe resta entreter-se a recordar as peripécias vividas com muitos dos que lhe vieram dizer adeus, entre os quais se encontram diversos familiares, a primeira-dama (e as outras mulheres e namoradas), os numerosos filhos e as altas dignidades do Estado. Ao relembrar a sua vida, o percurso que o levou a presidente e os muitos anos como chefe de Estado, vai-nos revelando os meandros do poder político, o nepotismo que o corrói e os vários abusos permitidos a quem o detém. E, como percebe tudo o que se passa à sua volta, e é muito difícil a um ditador deixar de o ser, Sua Excelência não só vai tecendo considerações sobre os presentes e os seus interesses políticos, como tenta adivinhar os seus pensamentos e maquinações. Pois, mesmo morto, não deixará a sua sucessão em mãos alheias, e nela tentará imiscuir-se através do seu espião-de-um-olho-só, que lhe é tão fiel na morte como era em vida. Uma crítica mordaz ao abuso de poder e aos sistemas de governo totalitários disfarçados de democracias, escrita com um sentido de humor inteligente, e em que qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência.

 

Sobre o autor

Pepetela (Artur Carlos Maurício Pestana dos Santos) nasceu em Benguela, Angola, em 1941. Licenciou-se em Sociologia, em Argel, durante o exílio. Foi guerrilheiro do MPLA, político e governante. Foi ainda professor na Universidade Agostinho Neto, em Luanda, e tem sido dirigente de associações culturais, com destaque para a União de Escritores Angolanos e a Associação Cultural Recreativa Chá de Caxinde. A atribuição do Prémio Camões (1997) confirmou o seu lugar de destaque na literatura lusófona.

 

Fonte: Dom Quixote/LeYa

Ads

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar