RICARDO SANTOS CAMPEÃO

956 views
Ricardo Santos regressou às vitórias e quebrou um jejum de quase três anos sem títulos, ao vencer hoje (quarta-feira) o Optilink Tour Championship, no Dom Pedro Victoria Golf Course, em Vilamoura, tornando-se no primeiro português a ganhar a final do PT Tour.
 
O campeão nacional de 2011 e 2016 aguentou bem os ataques da concorrência e ainda se deu ao luxo de dilatar a margem de vitória para 6 pancadas em relação aos 2.º classificados, o escocês Kieran Cantley e o inglês Ben Bailey.
 
Com uma terceira e última volta de 67 pancadas, 5 abaixo do Par, muito perto do seu registo de ontem de 66 (-6), que tinha-lhe permitido assaltar o comando, Ricardo Santos totalizou 203 (-13) e garantiu o cheque de 3.500 euros referente ao primeiro prémio, do ‘prize-money’ total de 20 mil euros.
 
O algarvio, a jogar em casa, num campo que ele representou durante muitos anos no DP World Tour, a primeira divisão europeia, só sofreu 3 bogeys em três dias de prova – hoje, apenas no último buraco, no 18, onde fizera birdie nos dias anteriores. Em contrapartida, converteu 16 birdies, mostrando que está de novo a atravessar uma boa fase da carreira.
 
«O meu jogo está a ir na direção que eu quero para poder ter mais oportunidades de vitórias ou andar na luta por elas», disse o profissional da Titleist, que não sente que tenha de fazer grandes adaptações ao seu jogo, passados tantos anos no circuito.
 
«O jogo é parecido ao dos últimos dez anos. A idade traz mais maturidade, sim, e é mais isso, o encarar de forma diferente o jogo», acrescentou o português de 39 anos.
 
Essa maturidade permitiu-lhe atacar a última volta logo desde o início e retirar quaisquer veleidades aos potenciais rivais, com 2 birdies nos primeiros dois buracos e 4 birdies nos primeiros nove.
 
«O dia hoje esteve bem melhor, não choveu e não fez vento, estava perfeito para jogar golfe. Voltei a jogar muito sólido, especialmente nos shots ao green», explicou Ricardo Santos, que vai voltar mais motivado ao DP World Tour (ex-European Tour), onde tem estado a competir nesta época de 2022.
 
«É sempre muito bom voltar a ganhar, especialmente quando a última vitória já tinha sido há dois anos e meio, mais ou menos», disse o campeão de um título do European Tour (o Madeira Islands Open BPI de 2012) e de dois troféus no Challenge Tour (o Princess by Schuco, na Suécia, em 2011 e o Swiss Challenge, em 2019).
 
Esse Challenge da Suíça, em junho de 2019, integrado na segunda divisão do golfe profissional europeu, tinha sido o seu último título.
 
Neste PT Tour, Ricardo Santos não ganhava desde o 1.º Palmares Open, também no Algarve, em novembro de 2018, quando o circuito promovido por José Correia ainda tinha o nome de Portugal Pro Golf Tour.
 
O Optilink Tour Championship contou com um total de 70 participantes e mais três portugueses conseguiram ainda concluir a prova no top-10.
 
Pedro Figueiredo, também jogador do DP World Tour, foi o primeiro líder do torneio, após uma boa volta inicial de 68 (-4) e terminou no 8.º lugar com 213 (-3), recebendo 750 euros.
 
Tomás Melo Gouveia, membro do Challenge Tour, foi 9.º classificado, com 214 (-2), empatado com o também português Hugo Santos e com o escocês Jeff Wright, embolsando cada um 675 euros de prémio.
 
O PT Tour teve várias novidades em 2022, duas delas contar para o ranking mundial amador e ainda oferecer prémios monetários aos três melhores amadores de cada torneio, de acordo com os novos regulamentos internacionais da modalidade.
 
Graças à parceria estabelecida com a SGA (Season Golf Academy), onde o português David Silva é o Head Coach do programa de captação e desenvolvimento de jovens, foi possível atribuir 300 euros ao melhor amador, neste caso o escocês Jamie Mann, que, tal como Ricardo Santos, beneficiou do fator casa, pois reside no Algarve e representa o Clube de Golfe de Vilamoura.
 
Jamie Mann costuma jogar os circuitos da Federação Portuguesa de Golfe e neste Optilink Tour Championship quase alcançava um top-20, ficando no grupo dos 21.º classificados, com 219 pancadas, 3 abaixo do Par, após voltas de 73, 71 e 75.
 
Recorde-se que o PT Tour é um circuito internacional, sancionado pela Federação Portuguesa de Golfe e pelo circuito britânico Jamega Pro Golf Tour. Conta ainda para o novo ranking da seleção nacional de profissionais da FPG.
 
As principais classificações do torneio e os resultados dos jogadores portugueses foram os seguintes:
 
 
1.º Ricardo Santos, 203 (70+66+67), -13;
 
2.º (empatado) Kieran Cantley (Escócia), 209 (73+70+66), -7;
 
2.º (empatado) Ben Bailey (Inglaterra), 209 (71+71+67), -7;
 
8.º Pedro Figueiredo, 213 (68+73+72), -3;
 
9.º (empatado) Tomás Melo Gouveia, 214 (71+73+70), -2;
 
9.º (empatado) Hugo Santos, 214 (69+72+73), -2;
 
21.º (empatado) João Girão, 219 (75+74+70), +3;
 
30.º (empatado) Pedro Lencart, 220 (76+73+71), +4;
 
35.º (empatado) Pedro Almeida, 224 (74+71+79), +8;
 
45.º (empatado) Hugo Camelo (amador), 227 (74+81+72), +11;
 
55.º (empatado) João Magalhães, 231 (78+83+70), +15;
 
57.º Miguel Gaspar, 233 (81+77+75), +17;
 
59.º (empatado) Guilherme Oliva (amador), 236 (77+79+80), +20;
 
63.º (empatado) Alexandre Abreu, 242 (79+80+83), +26.
 
 
 
Neste último dia mereceram destaque as voltas abaixo do Par dos portugueses Ricardo Santos, Tomás Melo Gouveia, João Girão, Pedro Lencart e João Magalhães, mas também o amador ‘teenager’ Hugo Camelo, das seleções nacionais amadoras da FPG, ter cumprido o Par-72 do traçado desenhado por Arnold Palmer.
 
 
 
 
 Fonte: PressPGAPortugal
Texto: Hugo Ribeiro
Fotografia: Ricardo Santos campeão do Optilink Tour Championship, imagem de Berto Granja
Site: https://pttour.pt/
Facebook: https://www.facebook.com/portugalprogolftour/
Twitter: https://twitter.com/PortugalProTour

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar