“Nunca tanta sombra deu tanta luz”*

1842 views

“Nunca tanta sombra deu tanta luz”*

“No meio dessa mesa de festa, mais só do que no alto do Gólgata, um Homem olha para a frente, com os seus olhos em que por momentos a esperança se nublou.”

Agustina Bessa-Luís in “Embaixada a Calígula”, Guimarães Editores

 

Por estes dias, em que parece que a “Terra parou”, para usar o título do extraordinário filme, de 1951, de Robert Wise (não confundir com o remake serôdio de 2008), tenho-me lembrado, por razões óbvias, de Milão, a que Agustina chamou “uma jóia onde se juntam a beleza, a dignidade e o espírito”. Ou melhor, tenho-me lembrado, do refeitório do Convento de Santa Maria delle Grazie, onde, mesmo em frente à Crucificação de Montorfano, me deixei arrebatar pelo mais impressionante dos murais alguma vez pintados: L’Ultima Cena, de Leonardo da Vinci. Sobre ele se disse ser a única pintura no mundo em cinemascope, tal a sua impressionante dimensão horizontal. E, de facto, o primeiro impacto é, exactamente, o da sua grandiosidade. Depois, aos pouco, em esforço, lá nos vamos focando nas treze figuras representadas por Da Vinci. Primeiro, e por maioria de razão, em Cristo, imóvel, estático, diria mesmo, perante a enorme agitação dos doze discípulos que o rodeiam. De todos, menos de João, o dilecto, o único que não gesticula e que, ao contrário de todas as representações que vira até então, não se encontra inclinado sobre o colo do Senhor, mas próximo de Pedro, que, de pé, o incita, assim o imagino, a perguntar a Jesus o nome do traidor. Sim, porque Da Vinci, optou por representar na sua Cena, a passagem do Evangelho segundo S. João, em que Jesus anuncia: “Em verdade, em verdade vos digo, está entre vós aquele que me há-de trair”. Daí a agitação indignada de todos, perante a resignada quietude de Cristo, sozinho, no centro da mesa, braços abertos, como que em total transcendência. A mão direita afastando-se da de Judas, a quem acabara de entregar o símbolo da traição, o pão ázimo embebido em vinho, e a esquerda, aberta, tombada sobre a mesa, em sinal de dádiva absoluta. No rosto, iluminado pela luz de fim de tarde que lhe incide por trás, sobressai uma expressão de sofrimento, acentuada pelos lábios semicerrados, e os olhos que nunca somos capazes de perscrutar. Talvez por isso, daqueles 35 metros de parede, o que mais nos marca, ou, pelo menos, o que mais me marcou foi a forma absolutamente impressionante como Da Vinci representou a incrível solidão de Jesus no meio dos que lhe são próximos.

À semelhança desse Cristo de Leonardo, talvez nunca como hoje, em que já não há multidão, nos sintamos tão sozinhos no meio dos que nos são próximos. Como disse Francisco, o pastor que veio do fim do mundo, numa Praça de São Pedro vazia de gente, na mais impactante imagem deste “tempo de solidão e de incerteza”**:

“Desde há semanas que parece o entardecer, parece cair a noite. Densas trevas cobriram as nossas praças, ruas e cidades; apoderaram-se das nossas vidas, enchendo tudo dum silêncio ensurdecedor e dum vazio desolador, que paralisa tudo à sua passagem: pressente-se no ar, nota-se nos gestos, dizem-no os olhares. Revemo-nos temerosos e perdidos. (…) A tempestade desmascara a nossa vulnerabilidade e deixa a descoberto as falsas e supérfluas seguranças com que construímos os nossos programas, os nossos projectos, os nossos hábitos e prioridades. (…) Com a tempestade, caiu a maquilhagem dos estereótipos com que mascaramos o nosso «eu» sempre preocupado com a própria imagem; e ficou a descoberto, uma vez mais, aquela (abençoada) pertença comum a que não nos podemos subtrair: a pertença como irmãos.”

De facto, habituámo-nos a aceitar que, nesta era de globalização acelerada, não haja espaço para o exercício da fraternidade. Porém, a “tempestade” que se abateu sobre a Humanidade veio provar o contrário. Veio provar que, mesmo no confinamento das nossas casas, que embora habitadas, pareciam vazias, nunca nos foi tão urgente essa necessidade de “pertença” e de dádiva. A violência da “tempestade” pode ter fechado fronteiras, esvaziado ruas e cidades, mas devolveu-nos, pelo menos por enquanto, a fraternidade solidária que há muito tinha desaparecido e que, não tenho dúvidas, será a gigantesca bóia que nos permitirá aguentar até à ambicionada chegada da bonança.

 

*Frase com que João Bénard da Costa termina a sua descrição do filme King of Kings de Cecil B. DeMille, de 1927. In “Crónicas: Imagens Proféticas e Outras – 1º Volume”, Edição Assírio & Alvim, 2010.

**Excerto do poema “Data” de Sophia de Mello Breyner. In “Livro Sexto”, Livraria Morais Editora, 1962.

 

Por João Moreira

 

 

 

 

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar