Febres de Lisboa – Cia. JGM

1116 views

Jaime Batalha Reis diz de seu amigo Eça de Queirós que este através dos contos que compôs e que foram editados postumamente arquitetou um “Poema Fantástico”. Dizemos nós que esse poema imprimiu entre linhas a juventude de uma época em Portugal e cujas influências são já as que descem de uma Europa do Norte. Esboçam-se, neste conjunto de textos, um imaginário povoado de sonhos e visões que se impõem como rasgões sobre um mundo que se descolava. Cada texto é um manifesto, uma paixão exposta. Uma montanha que se sobe e se aproxima do transcendente ou de Deus talvez. São estes textos uma coleção de gritos adolescentes aos quais Eça apelidou mais tarde: Prosas Bárbaras. Estavam neles escondidos, mas expostos as vozes, os desejos, as iluminações de homens do Sul, esses bárbaros que vivem entre a terra e o mar. Hoje, estes bárbaros escondidos entrelinhas nestes textos, saltam-nos ao caminho e incendeiam-nos a imaginação. Interpelam-nos e confrontam-nos, à vez, saídos de entre um mundo ingénuo e outro desapiedado.(…)

João Garcia Miguel

Fonte: Agendalx
23 junho a 30 junho 2020
21h00
Teatro Ibérico
Ads

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar