A CINEMATECA, A DIFUSÃO EM LINHA E A SALA DE CINEMA

589 views

Hoje a Cinemateca abre uma nova frente de contacto com o seu público através do acesso em linha, que será acrescentada e (ou) renovada ao longo das próximas semanas. Evocando o grande filme de Alberto Seixas Santos, muito a propósito neste mês de abril (e que será um daqueles a que virá a ser dado acesso especial neste contexto) chamámos-lhe “Gestos & Fragmentos”, caraterizando-o como “filmes, outras peças museográficas e registos da vida da Cinemateca”. É um incremento e uma grande diversificação do que já existia (e permanecerá) neste sítio como “Cinemateca Digital”, e albergará ainda uma outra iniciativa que também vem de trás – a série “Textos & Imagens”, que vai agora no seu 41º item. Num período em que, para o bem de todos e de cada um, devemos manter-nos nas nossas casas, esta é a nossa forma de levar um pouco mais do que somos e do que fazemos aos que nos procuram, além de, porventura, no caminho, suscitar o interesse de outros que por esta porta nos descubram. Ao fazê-lo, pensamos tanto naqueles que, por interesse e possibilidade, são utilizadores habituais dos nossos espaços agora “suspensos”, como em todos os que, vivendo longe da capital, não podem senão visitá-los esporadicamente. Também por esta última razão, esta não é apenas uma frente temporária. Vários destes documentos ficarão disponíveis a mais longo prazo, e algumas das rubricas tornar-se-ão residentes neste sítio.

No arranque, são introduzidas quatro plataformas. A primeira (“filmes para ver esta semana”) é a disponibilização temporária de uma série de longas-metragens do cinema português, preservadas e digitalizadas em alta definição (editadas ou a editar proximamente em DVD, pela Cinemateca ou por ela e parceiros vários). Paralelamente a essa série, no período em torno do 25 de Abril, será também disponibilizado um conjunto de filmes especificamente dedicado a esse tema, incluindo, a título de exemplo, a obra coletiva AS ARMAS E O POVO e vários episódios do JORNAL CINEMATOGRÁFICO NACIONAL da Unidade de Produção nº 1 do Instituto Português de Cinema (1975-77). A segunda plataforma inaugura um conjunto maior de iniciativas da Cinemateca Júnior pensadas para este período de isolamento. Abrem a série o registo de um dos espetáculos de Lanterna Mágica empreendidos na sala do Palácio Foz, e os primeiros de uma série de programas constituídos por filmes já acessíveis na secção “Cinemateca Digital”, neste caso selecionados e apresentados para um público infantil. Pensando nomeadamente em pais e professores, são propostas de sessões que poderão realizar à distância, e a que poderão associar outras atividades. A terceira frente, “O museu vai a casa” começa em articulação com a segunda e abre também uma sequência autónoma: a propósito do espetáculo do lanternista Mervyn Heard, dá-se a conhecer uma série de vidros originais de Lanterna Mágica do século XIX, da nossa coleção de objetos de pré-cinema, neste caso visionáveis como um pequeno filme. É o início do que será a inserção sistemática das representações de aparelhos e objetos da História e Pré-História do Cinema que constituem parte do património geral da Cinemateca e que de há muito aguardam a oportunidade de divulgação direta em espaço adequado, em articulação com o próprio objeto filme. A quarta plataforma é então a série “Textos & Imagens”, dedicada a reflexões suscitadas por itens do acervo do nosso Centro de Documentação e Informação, que é agora retomada com uma análise do livro “I was Interrupted” – escritos de Nicholas Ray.

A este primeiro conjunto seguir-se-á de imediato, sob o mesmo chapéu, a disponibilização de episódios da série de sessões-conferência “Histórias do Cinema”, uma das novidades de programação introduzidas na última década, que, desde 2011, trouxe à Cinemateca nomes cimeiros da crítica e da história do cinema mundial. Numa primeira ronda, serão incluídas as séries Bernard Eisenschitz / Nicholas Ray, Jean Douchet / Éric Rohmer, Naum Kleiman / S.M. Eisenstein e Laura Mulvey / Douglas Sirk. Cumulativamente com as gravações das conferências e debates, serão ainda disponibilizadas as folhas de sala dos filmes projetados nessas sessões. Todos os registos de intervenções que decorreram na língua inglesa ou francesa serão agora objeto de legendagem. Finalmente, estão em preparação outros tipos de materiais de arquivo para estas plataformas, e poderão ser acrescentadas outras frentes de intervenção já nos próximos dias e semanas.

Tudo isto será lançado no intervalo em que as nossas salas de projeção serão mantidas no silêncio, aguardando a reabertura a fazer em data ainda incerta. Fechadas as portas no dia 13 de março, foram interrompidos e desmarcados Ciclos cuja suspensão, quando reabrirmos, conduzirá a alterações em cadeia durante os meses subsequentes. Na noite de dia 13 teria acontecido na Cinemateca a projeção de SOFIA AREAL: UM GABINETE ANTI-DOR, seguida de conversa com o realizador e a pintora, no que seria apenas a quarta jornada (excetuando a Carta Branca, começada antes) do Ciclo dedicado a Jorge Silva Melo, que assim bem poderá dizer, como Nicholas Ray “I was interrupted”… Mas interrompida foi ainda a homenagem a Saul Bass em ano de centenário do seu nascimento (que teria um prolongamento em abril), e suspensos ficaram o anunciado Ciclo dedicado a Jose Celestino Campusano ou o programa de colaboração com a MONSTRA, nos 20 anos desta. Mais do que isso – e atendo-nos exclusivamente ao que estava programado para os meses de abril e maio, ou seja, aqueles que sabemos já de mão segura serem ainda de fechamento –, ficaram por concretizar nas datas previstas a integral Fellini (com a Festa do Cinema Italiano), a homenagem a Ousmane Sembene e à história do “Forum” de Berlim (ambos com o IndieLisboa), o muito completo Ciclo Raoul Ruiz (longo ciclo planeado para maio e junho), mais um centenário de nascimento (Montgomery Clift), mais um programa em colaboração (com os Encontros Cinematográficos do Fundão) e três outros ciclos de cinema português – a homenagem a José Mário Branco, os 50 anos do Centro Português de Cinema e a pequena mostra das adaptações cinematográficas da obra de Bernardo Santareno, também esta no centenário de nascimento.

Em relação a todos os programas suspensos, a nossa escolha foi então a de aceitar a sua interrupção ou o seu cancelamento na data prevista, não desistindo de vir a realizar qualquer um deles quando tal se revelar possível, e não transpondo para a comunicação em linha (e, aí, necessariamente de forma parcial, simbólica ou travestida), o que foi pensado para a sala e que temos a intenção de fazer na sala. A escolha foi portanto a de separar estas frentes, nunca as pensando como intermutáveis. Mais do que uma impossibilidade prática, esta é uma decisão de fundo, que, aqui e agora, queremos sublinhar. A vontade de incrementar o acesso ao arquivo da Cinemateca por todos aqueles que nos possam seguir à distância, ou de organizar acontecimentos específicos para esta comunicação à distância, é uma vontade complementar, que não preenche a lacuna gerada pelo silêncio das salas, que é no fundo a da plena experiência do cinema. E, quanto a esta última, mais do que apenas referi-la, ou mais do que insistir na saudade dela, talvez se dê o caso que este seja precisamente um bom momento para pensar ainda mais, e com mais consequência, em tudo o que nela está envolvido.

Ao dizê-lo, e sabendo bem quanto o nosso propósito museográfico acrescenta nesta conversa um dado adicional (as salas da Cinemateca como lugares da experiência tanto quanto possível “original”, a primazia da projeção nos suportes originais…), não estou de modo nenhum a reduzir este assunto às nossas salas ou à questão “cinemateca”.  Com as nossas salas, estão neste momento apagadas todas as salas de cinema do país, ou, na verdade, de todo o mundo donde nos chegam notícias, tendo a “experiência do cinema” sido transposta para a casa de cada um. Contudo, em Portugal, este apagamento ocorre numa época histórica que se segue ao que foi uma destruição da rede de salas de cinema ainda maior do que em muitos outros países, e de uma forma ainda mais desprotegida do que aconteceu em vários outros países. Para todos aqueles que se têm batido por uma mínima restauração gradual dessa rede, e portanto da única, completa, experiência do cinema (agora sem aspas), o  “cinema em casa”, sendo muito bem-vindo nestas circunstâncias, não deve assim suspender a nossa atenção a esse problema de fundo, que não é menos de que uma questão essencial tanto para o futuro do cinema entre nós como para a variedade e riqueza da nossa vida social.

Que o apagamento da sala nos leve então a pensar ainda mais nas emoções que só nela podemos viver. E quando, mais tarde, em plena segurança, pudermos voltar a usufruir desses espaços, que os saibamos ainda mais valorizar e defender. No que está ao nosso alcance, a Cinemateca contribuirá para esse esforço mais alargado, e é, e será sempre, parte desse pensamento, dessas emoções e dessa defesa.

José Manuel Costa

 

Fonte: Cinemateca website

Fotografia: Cinemateca website

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar