Falar baixo para ser ouvido

1215 views

Não basta querer, é preciso crer. Crer no que se comunica, acreditar intimamente no que se pretende revelar para só assim conseguir emprestar a força que, sem adornos, um gesto inconsciente denuncia. Até para comunicar uma mentira é preciso uma convicção nela. Tudo o mais é slogan, talvez eficaz como seta disparada aos crédulos, mas descarnado, mas desalmado, mas desencantado. A perdição de “comunicar bem” está em subjugar o núcleo à superfície. Em cambiar a verdade pela verosimilhança. Em desejar a impressão em vez da expressão.

Comunicar não é sobretudo um “como”, é essencialmente um “quê”. Em cada um dos milhões de poemas que já foram escritos para dizer “amo-te” há um arrobo particular. Em cada discurso político de convocatória há um apelo a um povo. Em cada música, em cada tela de pintura, em cada forma de dançar ou há uma essência de descoberta e exposição íntima ou há só a forma exterior de um oco. Assim é até quando querer dizer é apenas querer vender: uma má comunicação mata uma boa ideia ou um bom produto, mas uma boa comunicação não salva uma má ideia ou um mau produto. Por um discernimento simples: quem ouve pressente a falsidade. E se a pressente, não a deixa impregnar-se na pele. A água embate no tecido mas não o molha. Uma mentira tem perna longa, pode passear por todas as searas do mundo, mas a falsidade desmascara-se a si própria, não tem lâmina para segar trigo.

Não são subtilezas de linguagem: mentira e falsidade não são sinónimos, como o não são verdade e realidade, e umas não são necessariamente antónimos das outras. Comecemos pela mentira e pela falsidade, para acabarmos, se não em beleza, pelo menos com a beleza.

Esta vida a que chamamos moderna coloca-nos num falso centro de comunicação, falso porque não somos centro de nada, somos terminações mais ou menos nervosas de uma dispersão caótica de propostas e assédios. Não somos observados como pessoas com identidade própria, mas como linhas em bases de dados com perfis de gostos e de consumos; somos metralhados por propostas para resolver problemas que não temos, para lermos o que não sabíamos que queríamos ler, para partilharmos dados que serão metadados, e tudo nos entra sem bater à porta que alegremente abrimos, veja as melhores séries aqui, leia dois livros por dia aqui, melhore o seu sono aqui, emagreça, deixe de fumar, ganhe abdominais de sonho, saiba em quem votar, odeie-os aqui, adore-se aqui, deixe de sentir-se só, encontre o amor da sua vida, faça sexo, não rebente com os miolos, descubra o segredo da vida, seja feliz aqui, aqui, aqui e aqui e aqui e aqui, somos peixes entre milhões de anzóis que usam o “comunicar bem” como pesca do que active em nós um instinto, uma memória, um medo, uma ânsia que nos faça ir lá, isto é, aqui.

O comércio lidera a venda aos peixes, a comunicação política põe venda às ovelhas, a construção de mitos e a destruição de reputações ensaia-se em laboratórios que conhecem a disponibilidade colectiva para a conspiração. É uma manipulação em larga escala para a qual só há um antídoto, a da informação, conhecimento e pensamento próprio. O antídoto dá trabalho, o de recusar o fast food saturado de tempero mas não de temperança; e exige até coragem, a de contrariar maiorias furiosamente sedentas de novas radicalidades. Não há outra forma de decidir bem que não seja pela própria cabeça. Para isso, é preciso parar no tempo que jorra lá fora. “Ser forte é parar quieto; permanecer”, disse Guimarães Rosa.

Assim se constroem realidades com o que podem não ser verdades. Mas e se somos nós os produtores, aqueles que comunicam, aqueles que entre o silêncio e o grito querem ser ouvidos? Imitar as técnicas dos manipuladores profissionais é comprar balas para uma arma de que não se dispõe. Aliás: queremos usar armas da perfídia? É uma questão ética. É uma escolha.

Muitos fotógrafos profissionais dizem que, num retrato, o sorriso esconde mais do que revela, pelo que pedem aos retratados para não sorrirem. Percebe-se porquê: o sorriso natural e o sorriso mascarado usam músculos diferentes da cara para procurarem o mesmo efeito. Da mesma forma, a comunicação pode tentar alindar ou sintetizar para perseguir uma eficácia, a eficácia de a mensagem chegar clara, convincente, ser apreendida, até retida. Mas todas as formulações só conseguirão “comunicar bem” se corresponderem não à imagem que se pretende, mas à identidade íntima e real do que se pretende comunicar.

As frases mais belas e as imagens mais fortes são as que revelam, não as que mascaram. Um jornalista tem de procurar as linhas fugidias da verdade antes de escrever. Um poeta adentra-se antes de se adestrar em palavras. Um artista anuncia o futuro porque o reconhece antes do amanhecer. E um director de marketing precisa de acreditar nos “atributos” do produto. Tudo é então comunicação: mostrar o que afinal é um “conhece-te a ti próprio”. E as palavras e as não-palavras desenrolam-se com a fácil velocidade de um tapete. Como disse Almada Negreiros no fim da sua vida, ele que escreveu prosa, poesia e teatro, que encenou e dançou, que pintou, desenhou e ilustrou, “durante toda a minha vida, não fiz outra coisa que não fosse comunicar.”

 

Por Pedro Santos Guerreiro

 

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar