Crasto (em) Altitude, o lado mais fresco do Douro

472 views

O projeto começou tímido, mas o sucesso em prateleira motivou a Quinta do Crasto a reforçar a produção do Crasto Altitude 430. Este tinto do Douro que promete refrescar qualquer mesa, mesmo nos dias mais quentes. Ao mercado nacional, acaba de chegar a 3.ª edição.

Como qualquer vinho da Quinta do Crasto, o Altitude 430 resulta de um meticuloso trabalho de investigação das equipas de viticultura e de enologia que, juntas, se dedicam à exploração do potencial das castas autóctones da região do Douro.

Desta vez, o estudo foi feito com duas castas bandeira para o produtor, a Tinta Francisca e a Touriga Nacional, com um fator novidade – ambas estavam plantadas precisamente a uma cota de 430 metros de altitude, com exposição a Norte.

Quer isto dizer que este vinho apresenta um perfil diferenciador da tradicional gama da Quinta do Crasto, que nos habituou a tintos com complexidade aromática, estrutura de corpo e potencial de guarda. O Crasto Altitude 430 apresenta um grau alcoólico mais baixo e uma agradável frescura e elegância, demonstrando todo o potencial das castas que o compõem quando plantadas nestas condições.

A par da estratégia de viticultura, está também uma vinificação diferente do habitual, com as uvas selecionadas a serem ligeiramente esmagadas e transferidas para cubas de fermentação em aço inox com controlo de temperatura, onde fermentaram durante quatro dias com maceração pelicular e extração muito ligeira. Seguiu-se uma prensagem para barrica usada de carvalho francês, onde terminou a fermentação e repousou durante 12 meses.

A colheita de 2021, a terceira desta nova gama, fica ainda marcada pela qualidade excecional deste ano vinícola, que ficará na memória pela produção de vinhos cheios, com excelente frescura, aromas muito finos e taninos de textura sedosa.

Crasto Altitude 430 2021 apresenta cor granada, nariz expressivo com notas de frutos vermelhos em perfeita sintonia com suaves aromas de bosque e especiaria fina. Na boca, revela-se envolvente, sem pesar, a demonstrar toda a elegância das castas Tinta Francisca (70%) e Touriga Nacional (30%).

Pelo perfil diferenciador, recomenda-se que este vinho seja servido a uma temperatura mais fresca, idealmente entre os 15°C e 17°C, podendo acompanhar os pratos leves ou um final de tarde entre amigos. Uma sugestão descomplicada, a provar que os tintos podem – e devem – ser bebidos durante todo o ano.

Para mais informações sobre este vinho, consultar o site da Quinta do Crasto. O PVP recomendado é de 17€.

 

Fonte:silver-lining.pt

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar