ViViFiCAR passa agora por Torre de Moncorvo

47 views

Com o objetivo de refletir sobre a importância de viver e ficar na região do Douro

ViViFiCAR passa agora por Torre de Moncorvo, inaugurando as três exposições a 19 de novembro

Alunos do ensino secundário de Torre de Moncorvo, uma comunidade dos 45 aos 80 anos da Cardanha, e um grupo de mulheres da Açoreira partilharam as suas vivências e experiências com os artistas Fábio Cunha, José Pires e Ine Harrang, e participaram no desenvolvimento dos seus projetos artísticos. O resultado deste diálogo, em que os artistas viveram nas freguesias de Torre de Moncorvo, Açoreira e Cardanha, em casas de famílias locais, será apresentado ao público no próximo sábado, dia 19.

O projeto ViViFiCAR, que estimula uma reflexão sobre a importância de viver e ficar em territórios de baixa densidade, encontra-se atualmente em Torre de Moncorvo, onde os artistas Fábio Cunha, José Pires e Ine Harrang estão a viver em casa dos embaixadores Victor Almeida, Paula Valente e Maria Emília Lopes e são acompanhados pelos moderadores Gabriela Vaz-Pinheiro, Jayne Dyer e Virgílio Ferreira.

Virgílio Ferreira, diretor artístico da Ci.CLO e do projeto ViViFiCAR considera que “o ViViFiCAR distingue-se porque proporciona um encontro imersivo entre os artistas e as comunidades locais, que são convidadas a participar no desenvolvimento dos seus projetos artísticos. O objetivo é contribuir para a regeneração do tecido artística e cultural no Douro, envolvendo sobretudo os mais jovens, estimulando a reflexão sobre as suas ligações com a região, de tal forma que se sintam empoderados para contribuir para o seu desenvolvimento local, abrindo novas possibilidades de fixação populacional nestes territórios.” Salienta ainda que “as comunidades das 12 freguesias por onde o projeto já passou (nos municípios de Alijó, Lamego, Mêda e Torre de Moncorvo) têm abraçado o projeto com entusiasmo, e um exemplo perfeito disso, entre outros, é a continuidade dos encontros iniciados pela artista Maria Lusitano, em Coriscada, município de Mêda, após a sua residência ter terminado.”

O artista Fábio Cunha encontra-se em Torre de Moncorvo a trabalhar em conjunto com um grupo de jovens, alunos do ensino secundário, enquanto o artista José Pires se encontra a viver e a trabalhar em Cardanha, envolvendo a comunidade dos 45 aos 80 anos. Já a artista norueguesa Ine Harrang está a viver em Açoreira, onde se envolveu com um grupo de mulheres que se juntam para cantar pelas almas perdidas.

As residências em Torre de Moncorvo terminam dia 21 de novembro e as exposições resultantes destas residências serão inauguradas a 19 de novembro em três locais distintos.

Em Torre de Moncorvo, na Antiga Estação Ferroviária (Rua Luís de Camões, 10), será apresentado o projeto Sala de Aula, onde a fotografia se manifesta como método de observação e debate sobre o quotidiano e a sociedade.

Em Cardanha, no Centro Cultural e Recreativo (Praça António da Rita), estará exposto Fumo, uma instalação vídeo que se centra na relação entre a paisagem e a cultura local, conectadas pela poesia de autores regionais.

Por fim, em Açoreira, na Junta de Freguesia de Açoreira (Rua Além, 20), poderá conhecer Eco, uma exposição que explora a visão de Ine Harrang sobre as mulheres da aldeia da Açoreira e a forma como elas preservam referências, saberes e práticas ancestrais, tornando-as parte da sua vida contemporânea.

Fonte:youngnetworkgroup.com

 

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar