UM FEMINISMO TRANQUILO

783 views

“Certain women” é o título de um filme de Kelly Reichardt de 2016. Baseado em short stories de Maile Meloy, conta pequenos episódios da vida de três mulheres que ocupam o ecrã de Reichardt através da excelente representação de Laura Dern, Kirsten Stewart e Michelle Williams, no cenário do agreste e gélido Estado de Montana. Muito tem sido escrito sobre este filme: que é sobre frustrações e falhas de comunicação ou oportunidades perdidas de relacionamento; que é sobre pequenas e breves demonstrações de empatia e, sobretudo, que é sobre um feminismo tranquilo por explorar histórias de mulheres angustiadas (ainda que não assumidamente) mas corajosas, cujas presenças físicas são frágeis e contingentes, com frequência negligenciadas até no panorama do cinema indie.

Estes aspetos, a desarmonia familiar (sobretudo na vida da personagem de Williams), a persistência, o esforço permanente em agarrar e (re)construir estruturas sólidas de caráter e de identidade como uma espécie de salvação, são traços de personagens de dois livros que li nos últimos tempos: Elena Greco e Lila Cerullo, de Elena Ferrante, ou até da Lucy, de Philip Roth em “Quando ela era boa”. Nestes dois casos, as personagens femininas são jovens e fortes, mas desprovidas de qualquer garotice e, por isso, sempre dispostas a arregaçar as mãos para o trabalho duro que lhes permite alcançar um pata- mar de dignidade e integridade superior. Ao mesmo tempo, experimentam uma dor quase insuportável, sabendo como ninguém o que significa o sacrifício e a luta do dia-a-dia. A intenção de Ferrante e Roth será a de passar uma ideia de mulheres imunes a sentimentos como a tristeza ou a melancolia, fraquezas demasiado mundanas e mesquinhas. São mulheres de princípios e sólidas convicções que procuram praticar todos os dias, à medida que enfrentam as adversidades da vida.

Pensando bem, o ponto em comum entre Reichardt, Ferrante e Roth é esse exercício de dar voz a partes interiores destas mulheres (e de tantas outras que se revêm em Elena ou em Lucy) que são abafadas pelas próprias e oprimidas por terceiros, mas que deviam ser conhecidas por todos nós. Uma espécie de feminismo tranquilo.

Por Graça Canto Moniz

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar