Os Rituais de Passagem

901 views

Houve um tempo em que as catástrofes naturais e as pandemias, como esta que estamos a viver, eram justificadas como castigos de Deus. Ainda há poucos anos um dos nossos ministros justificava assim as inundações de Albufeira.

Foi o Terramoto de Lisboa em 1775 que alterou a forma de olhar para estas catástrofes. Rousseau, um crente da Razão, quis mudar o paradigma das responsabilidades. Numa carta que escrevia a Voltaire, ele tomava o Terramoto de Lisboa como o grande exemplo de entrada na Modernidade. Dizia nessa carta que os grandes desastres e as imprevisibilidades se deviam ao poder da razão e á falta de prevenção. E acrescentava: “mostrei aos homens como eles eram e causa da sua própria infelicidade e em consequência como poderiam evitá-la”.

Rousseau tira a responsabilidade da Natureza ou da vontade de Deus e entrega-a nas mãos dos homens. Para ele não havia acasos, imprevistos, mas falhas, incúria, incompetência e omissões. Dá que pensar e passados tantos anos! Tudo está nas mãos dos homens e se não podemos evitar devemos prevenir e estar preparados na hora da batalha.

Eu penso que o Covid-19 deve merecer-nos uma profunda reflexão, não apenas do poder político, mas de todos os outros poderes e de nós próprios como pessoas individuais e cidadãos.

Percebemos que muita da responsabilidade pelo maior ou menor impacto desta pandemia tem a ver com o comportamento de cada um de nós. A ideia de um governo que pode tudo, que a política é feita apenas pelos partidos e que não existem cidadãos deve ser melhor pensada! Mas há muitas outras coisas que merecem ser repensadas, a irresponsabilidade de um ou dois indivíduos pode matar milhões, dentro e fora da sua cidade. No nosso caso concreto, valorizámos demasiado os direitos e esquecemo-nos das responsabilidades para com nós próprios, família e os outros.

Por isso estou a falar de um Ritual de Passagem, porque depois disto, muita coisa vai mudar, a começar por nós próprios. Estamos e devemos entrar em avaliação! Nesses rituais de passagem, a primeira batalha é separarmo-nos da vida anterior. Foi isso que aconteceu, está a acontecer! A segunda batalha é o isolamento da sociedade, o intervalo das nossas antigas relações. É o regresso a casa, á família mais próxima, á nossa fortaleza. Estamos também a viver essa batalha! A terceira batalha é o nosso regresso aos mesmos lugares onde antes circulámos livremente. É como voltar ao lugar da infância passados muitos anos! Tudo parece mais pequeno, nós já não somos os mesmos e crescemos…Esta é a batalha decisiva e onde se ganha ou perde a guerra! Nós não voltamos ao mesmo, isso já passou…O resultado não pode ser para que tudo continue igual, mas para que seja melhor, a lição só pode ir nesse sentido…

E o que é ser melhor? É acabar com a ideia de que podemos estar sozinhos com os nossos direitos e esquecer os direitos dos outros; é não alienar a nossa opinião e dar o poder de todas as nossas decisões aos outros; pensar que não há acasos, mas falhas, incúria, incompetência, omissões e onde nós podemos também ser responsáveis, por falta da nossa própria responsabilidade… É voltarmos a Ser e não viver para Parecer.

Assim tudo mudará, mas para melhor, porque tudo será diferente!

 

Jorge Marques

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar