Na Europa

689 views

Na Europa, somos portugueses, fora da Europa, somos europeus.

Na Europa, passeando pelas ruas de Paris, Berlim, Londres, Madrid, Bruxelas, Atenas, Roma, Estocolmo ou Amesterdão, sinto-me “em casa”, experimento uma sensação de pertença. Não sou completamente dali, mas sou dali. Até em Varsóvia, Praga, Budapeste ou Belgrado, um europeu sente-se sempre perto de casa, senão em casa.

Por aquelas ruas, naqueles edifícios, está sempre algo da nossa história comum, da herança cultural partilhada que nos identifica enquanto povos. É na história e na cultura que mais nos identificamos com os nossos vizinhos europeus. E essa história, e essa cultura, influenciam um certo “modo de estar” e de ser europeu. Obviamente há, entre os incrivelmente diversos povos europeus, muitas diferenças.

Um país que tenha recebido uma enorme influência latina – grosso modo, os países do Sul da Europa – é diferente, as suas pessoas são diferentes, de um país do Norte. Nota-se em muitos aspectos, sobretudo na maneira de ser e de estar. Mas de todas as viagens que fiz – e tenho o privilégio de poder dizer que já são incontáveis – descubro que os europeus têm muito mais em comum do que à partida se imagina. E o projecto da CEE, agora União Europeia, veio intensificar essa proximidade entre os europeus.

Na Europa, sinto-me em casa, como em nenhum outro lado.

É verdade que, em África, nos países de língua portuguesa, sentimo-nos também em casa, como se pertencêssemos aquele lugar. Mas não é a mesma coisa, apesar de toda a afectividade que se sente, de tanta história comum. É como se estivéssemos em casa, sim, mas no jardim, em vez de estarmos no conforto do interior. Não sei como explicar melhor, é um pouco isto que sinto de cada vez que vou aos países africanos de língua portuguesa. Note-se, evidentemente, que o jardim é uma das partes da casa em que mais gosto de estar.

Na Ásia – onde vivi uns anos e viajei bastante, nas Américas – com destaque para os dois grandes países, Estados Unidos da América a Norte, Brasil a Sul, que são os que conheço melhor – sinto-me completamente… Europeu. E sei que me olham como europeu, ainda por cima de um país “estranho”, Portugal, que os brasileiros obviamente sabem perfeitamente o que é, mas os outros povos nem por isso. Os portugueses têm uma particularidade em relação aos restantes europeus: somos o povo que não se conteve no seu país nem se limitou a erguer colónias. Somos o povo europeu do mundo, os primeiros inventores da globalização, os que foram a todo o lado, com ganas de mundo, e em todo o lado deixaram marcas.

Isso faz-nos um pouco menos europeus aos olhos dos “outros”, somos mais próximos, somos mais “lá de casa”. Mas tudo isso é também história. Para as novas gerações de portugueses, para este Portugal democrático e totalmente embrenhado na União Europeia, seremos sempre portugueses primeiro, mas a nossa casa é cada vez mais a Europa.

E quem descobre Portugal, hoje em dia tão na moda, percebe isso facilmente. Aqui é Europa. E os portugueses que viajam e conhecem o mundo, percebem também de imediato. Somos portugueses na Europa, somos europeus no mundo.

André Serpa Soares

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar