Museu de Lisboa – Teatro Romano inaugura exposição de Barahona Possollo

397 views

A exposição temporária Do Terreno e do Divino. Pintura de Barahona Possollo no Teatro Romano traz a mitologia da Antiguidade para a contemporaneidade, através de retratos exuberantes e imaginados de divindades e cenários do universo mitológico.

O Museu de Lisboa – Teatro Romano inaugura no próximo dia 24 de outubro a exposição Do Terreno e do Divino. Pintura de Barahona Possollo no Teatro Romano, que compreende mais de 30 obras deste artista, 9 das quais inéditas.

Para o artista, que, ao longo da sua carreira, tem explorado a representação erótica de mitos da Antiguidade Clássica, esta exposição, que agora se materializa, começou já há alguns anos, quando, através de um amigo conheceu o sítio arqueológico do Teatro Romano de Lisboa. «Imaginei imediatamente como seria povoar essa estrutura, sagrada desde há milénios, por pinturas que se relacionassem com a nossa herança greco-romana».

Com a ajuda da equipa do museu e partindo da «premissa de estabelecer pontes de referentes culturais que vencem vãos de milénios», Barahona Possollo escrutinou a sua obra para selecionar as mais de 30 pinturas que podem ser vistas até 10 de março no Museu de Lisboa – Teatro Romano. A escolha teve em conta, «não só a pertinência dos temas, como a adequação a um espaço visitado por pessoas que abrangem uma extensa faixa etária, com diferentes matrizes culturais», explica o artista.

«A Antiguidade Clássica formulou uma parte essencial daquilo que consideramos ser a nossa identidade europeia, já espalhada por todo o globo. Recordar e reencenar os temas clássicos é apenas tentar que essa cultura absolutamente sublime e eclética nos continue a iluminar», refere o artista sobre a opção de tratar esta temática nas suas obras.

BIOGRAFIA DO ARTISTA

Licenciado em Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, em 1995 aceitou o convite para aí lecionar. Foi oficialmente incumbido de pintar o Retrato do Presidente da República Professor Aníbal Cavaco Silva, patente na coleção permanente do Museu da Presidência da República.

Desde 1995 que colabora com os Correios de Portugal na produção de originais para a impressão de selos, nomeadamente na série comemorativa dos 500 anos da chegada de Vasco da Gama à Índia.

As suas obras encontram-se em coleções particulares em Portugal, Espanha, França, Suíça, Itália, Holanda, Reino Unido, Estados Unidos da América e Argentina e também em coleções públicas nacionais – Banco de Portugal, Museu Português das Comunicações, Museu de Setúbal e União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa – e igualmente em estrangeiras – citando apenas o caso do Vaticano (IOR) e da Casa Branca.

 

Fonte: egeac.pt

 

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar