Mundo flutuante: estampas japonesas «ukiyo-e»

356 views
Calouste Gulbenkian reuniu um conjunto notável de arte japonesa. Esta faceta menos conhecida do colecionador é explorada nesta exposição, que apresenta um vasto número de estampas japonesas produzidas entre o século XVII e o século XIX.

Mundo flutuante: estampas japonesas ukiyo-e centra-se no conceito de ukiyo, que significa «mundo flutuante», e que se refere aos prazeres efémeros da vida quotidiana. É aqui traçado o perfil de Edo, atual Tóquio, através de duas temáticas ilustrativas da cultura popular da cidade de então: a beleza feminina, personificada na figura da cortesã, e a contemplação do mundo natural.

Essa cultura também é definida através da representação do traçado urbano da cidade, dos seus lugares icónicos – incluindo o histórico bairro de Yoshiwara – das ruas e da paisagem em redor. As doze gravuras uki-e (impressões em perspetiva), de Utagawa Toyoharu (1735-1814) apresentam visões reais de Edo e testemunham o incessante fervilhar da cidade. A adoção da perspetiva linear foi relevante para o estabelecimento do género paisagístico ukiyo-e, inaugurado por Katsushika Hokusai (1760-1849) com a famosa série das Trinta e Seis Vistas do Monte Fuji (Fugaku sanjūrokkei), de que a coleção contém dois exemplares.

A primeira versão do projeto editorial de Utagawa Hiroshige (1797-1858), As Cinquenta e Três Estações Postais do Tōkaidō(Tōkaidō gojûsantsugi), faz parte desse fenómeno, e obteve tamanho sucesso que foi impressa em duas edições. A coleção Gulbenkian conserva uma segunda versão realizada em colaboração com Utagawa Kuniyoshi (1797-1861) e Utagawa Kunisada (1786-1865) e que, embora represente o Tōkaidō – a estrada que ligava Edo a Quioto – associa a cada uma das diferentes estações deste caminho as mais relevantes lendas, histórias e poemas japoneses.

É dada ainda a conhecer a importância dos surimono, edições exclusivas e limitadas de xilogravuras, acessíveis apenas a alguns cidadãos da sociedade japonesa da altura. A coleção do Museu possui um grupo expressivo destas obras, sobretudo da autoria de Totoya Hokkei (1780-1850).

Esta exposição representa também uma oportunidade para descobrir algumas das estampas danificadas nas cheias de 1967 que afetaram a região de Lisboa. O lento e pormenorizado trabalho da equipa de conservação e restauro nestas obras foi pioneiro a nível nacional e é também contemplado na exposição.

Curadoria

Jorge Rodrigues – Museu Calouste Gulbenkian
Francesca Neglia – Sapienza, Università di Roma
Hannah Sigur – FCSH, Universidade Nova de Lisboa

Imagem de topo

Katsushika Hokusai; Yeijudo (editor), «A ponte de barcos em Sano na província de Kosuke. Viajantes atravessam o rio Toné cuja corrente forte deu à ponte a forma de arco», pormenor. Série «Vistas excecionais de pontes célebres de todas as províncias». Japão, c. 1827. Museu Calouste Gulbenkian

 

23 jun – 16 out 2023
10:00 – 18:00
ENCERRA À TERÇA
Local
Galeria de Exposições TemporáriasMuseu Calouste Gulbenkian
Preço
4,00 €
Fonte: gulbenkian.pt

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar