Integral Kinuyo Tanaka

482 views

Programa:

Carta de Amor (1953)
Lançado um ano após o fim da ocupação americana do Japão, a estreia de Tanaka na realização explora os conflitos profissionais e pessoais de Reikichi, um veterano repatriado que procura o seu amor perdido enquanto traduz cartas românticas de prostitutas japonesas para soldados americanos.

A Lua Ascendeu (1955)
O Sr. Asai mora em Nara com as suas três filhas: a mais velha, Chizuru, que voltou para a casa da família após a morte do marido; a do meio, Ayako, em idade de casar, mas sem pressa de deixar o progenitor; e a mais nova, Setsuko, a mais exuberante das três irmãs que sonha em mudar-se para a capital. Esta última é muito próxima de Shôji, o jovem cunhado de Chizuru que mora num templo próximo da família Asai. Um dia, ele recebe a visita de um velho amigo, Amamiya, que lhe fala sobre Ayako. Setsuko está convencida de que Shôji ainda tem sentimentos pela sua irmã e fará de tudo para forçar o destino…

Para Sempre Mulher (1955)
Hokkaido, norte do Japão. Fumiko vive um casamento infeliz. O seu único consolo são os seus dois filhos e um clube de poesia que revela ser a sua principal escapatória, permitindo visitas à cidade. Aí encontra Taku Hori, o marido da sua amiga Kinuko que, como ela, escreve poemas. Ela sente-se cada vez mais atraída por ele, porém Fumiko é diagnosticada com cancro da mama. Enquanto os seus poemas são publicados, ela sujeita-se a passar por uma mastectomia. A jovem mulher descobre, então, a paixão por um jornalista que vem visitá-la ao hospital.

A Princesa Errante (1960)
O primeiro filme de Tanaka a cores e em Cinemascope, rodado para a Daiei (estúdio de Kenji Mizoguchi), é um épico sobre uma mulher presa nos conflitos da História. Baseado nas memórias de Hiro Saga, “A Princesa Errante” retrata a história de Ryuko, uma aristocrata que, no início da Segunda Guerra Mundial, é forçada a casarse com Futetsu, o irmão mais novo do imperador chinês brevemente a ser deposto. O envolvimento de Ryuko na ocupação japonesa da Manchúria cumpre com surpreendente profundidade a ambição de Tanaka em querer relatar uma saga histórica através de uma uma perspetiva crítica feminina.

Mulheres da Noite (1961)
O filme segue Kuniko, uma jovem rapariga que é admitida num centro de reabilitação depois da Lei de Prevenção à Prostituição ter proibido a sua fonte de rendimento. Mas criar uma nova vida é traiçoeiro – como se a câmara denunciasse a dificuldade de um “anjo caído” poder vir a encontrar a redenção num meio social que não parece conceber a absolvição moral. Ao abordar mais uma vez um assunto desafiante e polémico, Tanaka pinta um retrato empático de uma comunidade frágil de mulheres indomáveis feitas párias por um mundo opressivo em que a sororidade parece ser a única porta de saída.

Senhora Ogin (1962)
Baseado num romance do escritor Tôkô Kon, o último filme de Kinuyo Tanaka como cineasta – e também o de orçamento mais caro – retrata os esforços de Ogin, uma mulher reivindicando a honestidade do amor na cultura Momoyama (por volta de 1568 a 1600), característica por ser adversa à transparência das emoções. Sem dúvida, a componente mais fascinante de “Senhora Ogin” é essa condensação da imagem da mulher, ela que apenas parece compreender o amor terreno e desafia a ordem sagrada, demasiado fria e abstrata, do homem que ama, mas que não a pode amar de volta.

cinema
13 julho a 9 agosto 2023
Cinema Ideal
Fotografia: Carlotta Films | © 1955 NIKKATSU
Fonte: AgendaLx

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar