Imprensa Nacional apresenta Portugal Amordaçado, um prefácio do País Democrático

815 views

A Imprensa Nacional, chancela editorial da Imprensa Nacional- Casa da Moeda (INCM), apresenta o vol. 1 da coleção «Obras de Mário Soares», Portugal Amordaçado, depoimentos sobre os anos de fascismo, no próximo dia 07 de dezembro, pelas 18h30, numa sessão que decorre na Fundação Calouste Gulbenkian e na qual participam o Presidente da República, o Presidente da Assembleia da República e o Primeiro-Ministro. A obra será apresentada por Jaime Gama. Recorde-se que neste dia Mário Soares completaria 99 anos de idade.

Depois do lançamento inédito do Vol. 0, As Ideias Políticas e Sociais de Teófilo Braga – Com notas de leitura de António Sérgio e cartas sobre a obra, a coleção prossegue agora com Portugal Amordaçadoum dos mais importantes testemunhos da luta contra o regime de Salazar e um título central na vasta bibliografia do seu autor. Soares escreveu-o entre 1968 e 1972, durante o seu exílio em França, e veio a publicá-lo, em 1972, em língua francesa, sob o título Portugal Bailloné — Un Témoignage.

 

Para José Manuel dos Santos, coordenador da coleção, Portugal Amordaçado é «uma grande obra da literatura política contemporânea. Neste seu livro dos livros, Mário Soares mostra uma agilidade literária, uma exigência moral, uma lucidez ideológica, uma vontade incessante e uma vitalidade política que o futuro viria a confirmar e engrandecer».

Retrato esmagador, em tom de denúncia e manifesto, contra o Regime do Estado Novo, com um forte registo autobiográfico e uma visão clara de futuro de um Portugal democrático, já sem colónias e integrado na Europa, Portugal Amordaçado — Depoimento sobre os anos do fascismo é uma obra fundamental da historiografia contemporânea, que só viria a ser publicado, em Portugal, meses após a Revolução dos Cravos, em 1974.

Há muito esgotada, a obra que a Imprensa Nacional agora disponibiliza (versões portuguesa e francesa) é uma edição crítica composta por dois tomos, incluindo uma extensa correspondência inédita que Soares recebeu e enviou sobre este livro. Conta também com um ensaio do historiador Fernando Rosas, uma história da obra, da autoria dos historiadores Pedro Marques Gomes e Teresa Leitão, e um dicionário biográfico de personalidades e acontecimentos.

Para o historiador Fernando Rosa este foi um livro escrito «com urgência à beira do fim e do princípio, o Portugal Amordaçado iria tornar-se o prefácio ao Portugal democrático por que se batera o seu autor».

Já Duarte Azinheira, administrador da INCM, realça que “a publicação de Portugal Amordaçado é, para a editora pública, uma das melhores formas de iniciar as celebrações dos 50 anos da democracia portuguesa e, ao mesmo tempo, de homenagear o estadista e o escritor, que lutou pela liberdade, cumprindo um papel fundamental na história recente do país. Esta é também uma forma de cumprir com uma das principais missões da INCM no que diz respeito à publicação de obras de grande impacto para o panorama nacional, como é o caso.”

O vol. 2 da coleção «Obras de Mário Soares» será dedicado à longa entrevista que Mário Soares concedeu à jornalista Maria João Avilez, previsto já para o próximo ano e que teve a sua publicação, na década de 1990, em três volumes, que também se encontram esgotados. A coleção «Obras de Mário Soares» baseia-se na investigação de mais de dois milhões de documentos do arquivo do antigo Presidente da República, muitos deles inéditos, que se encontram na Fundação Mário Soares e Maria Barroso.

Esta é uma coleção que, nos seus vários volumes criteriosamente documentados, além das múltiplas obras publicadas em vida – como ensaios doutrinários, depoimentos, crónicas, entrevistas, memórias, discursos e intervenções – acolherá inúmeros escritos inéditos e dispersos, como milhares de cartas trocadas com grandes figuras nacionais e internacionais.

Um vasto espólio que tem sido estudado, transcrito e anotado, dando-se a conhecer, nesta coleção, pela primeira vez, toda a obra escrita e o pensamento do político e intelectual de Mário Soares, figura fundamental da nossa história contemporânea, cujos testemunhos são uma fonte primária, insubstituível e essencial da historiografia portuguesa, mas também europeia e mundial recentes.

A coordenação da coleção é da responsabilidade de José Manuel dos Santos, antigo assessor e colaborador próximo de Mário Soares, para quem “estas Obras de Mário Soares são as de um político que queria ser escritor – e que foi escritor ao ter sido político. Para ele, a escrita e a política eram duas formas de fazer o mundo. Sem uma, a outra não era ela. Com as duas, cada uma era ainda mais do que era.”

Fonte: cunhavaz.com

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar