Festival FUSO regressa aos jardins de Lisboa

530 views

Na 15ª edição do Festival vão ser exibidas obras de videoarte de quatro importantes colecções de arte

O FUSO – Festival Internacional de Videoarte de Lisboa regressa aos jardins e claustros dos museus de Lisboa, de 22 a 27 de agosto e volta a apresentar sessões de videoarte gratuitas programadas por curadores portugueses e internacionais. Ao longo de seis noites, o público pode assistir a dezenas de obras de videoarte, assim como a conversas que pretendem refletir sobre o papel da videoarte no século XXI.

A 15ª edição do FUSO traz uma programação tão eclética quanto o são as linguagens que dão corpo à videoarte e vai realizar-se em seis locais: o novo espaço da Duplacena, situado nos bairro dos Anjos, MAAT, Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC), Palácio Sinel de Cordes, Castelo de São Jorge e Claustro do Museu da Marioneta.

A videoarte no século XXI e o seu papel como um instrumento de reflexão é o mote do FUSO 2023

No ano em que o FUSO celebra 15 anos de atividades ininterruptas e testemunha a maleabilidade do vídeo como ferramenta criativa e crítica, o festival lança como mote de conversa e reflexão o papel da videoarte no século XXI. Capaz de abarcar e cruzar as diversas disciplinas artísticas contemporâneas e evoluir para campos de pesquisas que permitem novas experimentações, a videoarte é um instrumento acessível e importante para a reflexão sobre os tempos que vivemos.

Questões urgentes como o pertencimento e o direito à liberdade, os padrões de desigualdade tecidos através do colonialismo, a emergência climática e os desafios sociais e políticos que o mundo enfrenta nos dias de hoje, são temas que importam. E que refletem na programação da 15ª edição do FUSO, com obras de artistas cujas práticas definem as realidades contemporâneas e chamam a atenção para as formas como essas questões existiram e ainda permanecem na sociedade – nas nossas instituições, nos media, nas nossas comunidades e nos nossos pensamentos.

Para dar início ao festival e inaugurar o espaço da Duplacena, vai realizar-se uma conversa aberta com a historiadora e crítica de arte Isabel Nogueira, sobre a videoarte no século XXI, sua evolução e seu papel como um instrumento de reflexão. Ainda na abertura do Festival, a inauguração da Mostra de Videoarte dos Açores, com exibição de obras que refletem de forma crítica, mas também afetiva, as relações dos artistas com o território, a sua gente e seus costumes. A Mostra apresenta ainda, em estreia absoluta em Portugal continental, o filme “Agapanto Sísmico”, do artista Yuri Firmeza, comissionado pela Duplacena e rodado inteiramente na ilha de São Miguel.

Programas curatoriais
Em 2023 as sessões curatoriais ficam à cargo de quatro importantes coleções, cujos acervos incluem obras de artistas históricos e contemporâneos que trabalham com a imagem em movimento: Centre National des Arts Plastiques (FR) com curadoria de Pascale Cassagnau;

Coleção LUX (Reino Unido), com curadoria de Benjamin Cook; Coleção de Serralves (PT), com curadoria de Inês Grosso; e colecção Electronic Arts Intermix (EUA), com curadoria de Lori Zippay. Antes das sessões, estão programadas conversas em torno das obras exibidas, moderadas por Vitor Belanciano.

Único concurso de videoarte em Portugal com atribuição de dois prémios

É de ressaltar ainda a sessão do OPEN CALL, que todos os anos recebe cerca de duzentos vídeos a concurso, destacando o que de mais novo está a ser produzido na arte em vídeo em território português. O curador Jean-François Chougnet seleciona as obras, que concorrem aos prémios Aquisição EDP/MAAT (escolha do júri) e Incentivo DUPLACENA (escolha do público).

Programa paralelo em parceria com a Ar.Co
Por último, mas não menos importante, está a parceria com a escola Ar.CO, que programa uma sessão com vídeos dos alunos do curso de Cinema/Imagem em Movimento, dando oportunidade aos jovens artistas de apresentarem seus trabalhos a um público alargado.

Para além de programar sessões de videoarte, o FUSO é também um lugar de convívio. E o encontro diário entre curadores, artistas e o público, em locais emblemáticos de Lisboa, proporciona o estabelecimento de novas parcerias, gerando uma rede de conexões e colaborações.

O FUSO – festival internacional de videoarte de Lisboa é uma produção Duplacena/Horta Seca, financiado por República Portuguesa – Cultura, Direção-Geral das Artes e Fundação EDP/MAAT; com parceria institucional da Egeac e apoio do Institut Français Portugal, no âmbito do programa MaisFrança.

 

Fonte:ritaparistexas

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar