ESCREVER O FUTURO COM AS LETRAS DA ESPERANÇA

525 views

Ou aprendemos a escrever o futuro com as mesmas letras com que escrevemos a esperança ou, face ao presente, não é possível vislumbrar um qualquer amanhã risonho.

Hoje, agora, quando escrevo este texto, os tempos são sombrios.

Não bastavam já à humanidade todos os erros, defeitos e pecados, os de antanho e os contemporâneos.

Voltamos a ser fustigado pela peste, uma nova peste que, se se prolongar muito mais, vai mergulhar-nos numa idade das trevas 2.1, para usar terminologia de agora.

Pelo mundo, ganham protagonismo e raio de acção os demagogos e populistas.

Nós ajudamos, porque cavamos cada vez mais fundo os fossos que nos dividem e as trincheiras em que nos refugiamos.

Erguem-se cada vez mais altas, por todo o lado no espaço público, as barricadas ao pensamento livre e ao exercício de  todas as demais liberdades e afirmações das diferenças.

Destruímos o meio ambiente, esgotamos os recursos naturais, condenamos a prazo o planeta e todos os seres vivos que o habitam.

Amamos menos. O próximo. Nós próprios.

Hoje, tudo isto acontece. A maior parte, parece, lá longe e pela TV. Mas já chegou à nossa rua.

É no meio de toda esta sombra que temos de encarar de frente o caminho que queremos percorrer e a luz que o ilumina, mas sem deixar que esta nos encadeie pois, se isso acontecer, podemos ver ainda menos, podemos cegar para o mundo.

Temos de aprender a escrever o futuro com as mesmas letras com que escrevemos a esperança.

Mas a esperança não pode ser um salto de fé. A esperança só se revela na verdade, no conhecimento, em saber dos factos antes de cuidar dos argumentos.

Cada vez mais pessoas no mundo escapam à pobreza extrema. Cada vez mais pessoas no mundo têm acesso a cuidados de saúde, a alimentos e a água potável. Cada vez mais pessoas têm acesso a maiores níveis de escolaridade.

Nós, regra geral, vivemos melhor que os nossos pais, que viveram melhor que os pais deles.

Isto são factos, e tem de ser disto que a esperança se alimenta.

Esta é, tem sido, a marcha da humanidade.

Não se trata de um olhar benevolente, menos ainda ideológico.

Trata-se de olhar os números. Os verdadeiros, não os que nos são martelados de forma descontextualizada pelos media, em doses massivas e constantes, com as convenientes roupagens trágicas e dramáticas que garantem audiências.

A mente humana tem uma propensão subconsciente para prestar maior atenção e recordar-se mais do mau e do negativo. Porque é isso que povoa os nossos medos e é isso que, paradoxalmente, acaba por balizar o nosso bem-estar.

Conhecendo o mal dos outros, talvez consigamos exorcizar e livrar-nos do nosso próprio mal.

É este o mecanismo.

Mas este não é o caminho da esperança. É o caminho do medo. É a vitória final das trevas.

Para não permitirmos essa vitória, temos de olhar a vida como ela é. E temos de saber viver.

Viver de acordo e em respeito por aquilo em que acreditamos não é tanto um caminho de rejeição do mal, tem de ser sobretudo um percurso de tolerância, diálogo, resiliência e aprendizagem.

Um caminho de busca incessante do bem.

O futuro que queremos é a forma como o construímos.

Como o soletramos todos os dias. Sem medo. Com muita esperança.

 

Por André Serpa Soares

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar