Dez Anos de Histórias

174 views

A Casa das Histórias Paula Rego (CHPR) celebra este ano o seu décimo aniversário, que vem sendo celebrado num programa preparado pelo Serviço Cultural e Educativo do Bairro dos Museus de Cascais. Nesta sua existência, o museu acolheu mais de 30 exposições, entre pintura, gravura e desenho de Paula Rego, tendo recebido cerca de 630 mil visitantes, nas palavras de Catarina Alfaro, coordenadora da programação e conservação do museu, “Durante esta década de existência, as exposições realizadas na Casa das Histórias Paula Rego contaram com colaborações e parcerias com outros grandes museus internacionais, que muito contribuíram para a afirmação da singularidade e importância deste museu dedicado à mais reconhecida artista portuguesa contemporânea”.  

No âmbito desta comemoração está patente a exposição “Paula Rego: Olhar para dentro”, com curadoria de Catarina Alfaro, que incide no trabalho em gravura da artista, começado nos anos cinquenta, mas que atinge a maturidade após 1980. A gravura permite à artista contar uma multiplicidade de histórias nem sempre possível nos quadros a óleo, nomeadamente com séries temáticas. A exposição reúne uma grande parte da obra gráfica da artista, bem como desenhos preparatórios para a execução das gravuras, chapas de cobre do processo de gravação e trabalhos de gravura mais recentes e menos conhecidos.  

A CHPR integra o Bairro dos Museus de Cascais, sendo gerido pela Fundação D. Luís I, presidida por Salvato Teles de Menezes, que refere a sua importância para a vila de Cascais “É de salientar o papel que a Casa das Histórias Paula Rego, a par de outros equipamentos, como o Centro Cultural de Cascais e o Museu Condes de Castro Guimarães, desempenha como motor das atividades culturais e artísticas desenvolvidas no âmbito do Bairro dos Museus, cuja criação se deve à iniciativa do executivo da Câmara Municipal de Cascais”.  

A CHPR deve a sua origem a um protocolo firmado entre Câmara Municipal de Cascais, através do seu presidente Carlos Carreiras, e a artista, possível dado “o excecional relacionamento que mantemos com Artista e Família, em especial a partir do momento em que tive o gosto de me deslocar ao ateliê de Londres para assinar o contrato que ainda está vigente e que, em breve, será substituído por outro praticamente idêntico e com a mesma duração de dez anos.” 

“Com a Casa das Histórias, dir-se-ia que Eduardo Souto de Moura se aproxima de uma abordagem ‘regionalista’, distanciando-se do abstracionismo moderno dominante na sua obra. Um regionalismo, todavia, não crítico e estranho ao significado de ‘resistência’ que justificou outras abordagens no Portugal dos anos oitenta do século passado. Neste espaço museológico para Cascais, Souto de Moura associa determinados dispositivos formais a heranças de composição arquitetónicafórmulas de implantação e usos de escala que se podem facilmente contextualizar numa geografia muito particular. A proximidade com a obra de Raul Lino acontece, portanto, num enquadramento paisagístico ‘a Sul’, sem expedientes decorativos e despojada de recursos pitorescos.”  

Ana Vaz Milheiro 

 

“É uma honra para mim assistir, ainda que longe, às comemorações do 10o Aniversário do museu que me é dedicado. Aguardo com expetativa a continuidade deste valioso projeto, em colaboração estreita com a Câmara Municipal de Cascais e a Fundação D. Luís I, através da assinatura de um novo contrato com a duração de dez anos. Quero ainda agradecer a todos aqueles que têm contribuído para o êxito alcançado na Casa das Histórias Paula Rego”  

Paula Rego 

Por João Albuquerque Carreiras  

Ads

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar