Cicloturismo em Humahuaca, Argentina.

841 views

Foi incrível a sensação de praticar cicloturismo por Humahuaca, na Província de Jujuy, no Noroeste da Argentina.

Aproveitando que estava a fazer cicloturismo desde Foz do Iguaçu, junto à Tríplice Fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina, até as Grandes Salinas, em uma viagem de bicicleta por mais de 2.400km em 30 dias, Humahuaca era uma localidade que gostava muito de conhecer.

Pessoalmente, além das paisagens naturais, o que mais me movia era a possibilidade de encontrar os diferentes matizes culturais, capazes de causar grande impacto em meus horizontes.

Subi pedalando a Ruta 9, desde Salta, em direção à linda província de Jujuy, no verão de 2006. É lindo perceber a paisagem mudar a cada metro. Imaginava, então, o quanto também seriam outras as características do povo e sua cultura.

Humahuaca, uma grande surpresa

Depois de desfrutar das localidades de San Salvador de Jujuy, Yala, Maimara, Tilcara, Huacalera e Uquía, percebi que, nesta direção, poderia chegar tranquilamente à Bolívia. Mas, havia logo à frente algo que mereceria toda minha atenção: a impressionante Quebrada de Humahuaca, um cânion gigantesco, imponente, que destaca o vale do Rio Grande. Este lugar é Patrimônio Mundial da UNESCO desde julho de 2003.

Então, próxima parada: cicloturismo em Humahuaca!

O cicloviajante encontrará a pequena Humahuaca localizada a 3.000m de altitude e distante, aproximadamente, 1.500 km de Buenos Aires.

Esta histórica localidade do noroeste argentino é composta de vielas e ruas estreitas de terra ou pedra.
Nelas, é fácil sentir o cheiro de chipa (pão ázimo) sendo assada em uma grelha na calçada.
É um convite aos sentidos.

À época desta cicloviagem (2005/2006), minhas fotos ainda eram feitas em uma câmera Zenith usando rolo de filme. Portanto, isso me possibilitava ter mais tempo para admirar as gentes e seu modo de vida, antes de tentar capturar os instantâneos do cotidiano.

Um lugar, muitos significados

A palavra Humahuaca tem sua origem em uma das muitas culturas ancestrais originárias daquela região, os omaguacas. Porém, o significado do nome é “Rio Sagrado”, antigo símbolo daquilo que só muda para seguir sendo o mesmo, segundo os habitantes locais.

Transitando pelas praças e vielas, se percebe nativos da etnia coya, realizando trocas uns com os outros e buscando vender algo de artesanato ou, simplesmente, visitando a cidade. Porém, é junto ao Cabildo que se encontra o ponto da aglomeração e de comércio informal.

Humahuaca foi rota de grupamentos pré-incaicos e via de comércio entre o Rio de La Plata e Potosí, no sudoeste da Bolívia. Hoje, vive basicamente do turismo, e é um dos primeiros sítios cicloturísticos para quem chega ao país, através da Bolívia.

Para todo lado que se observe, há uma forte presença andina nos rostos e na indumentária.

Os lugareños, por sua vez, são muito hospitaleiros, sorriem com facilidade sem faltar com o respeito. Aliás, é bom alertar que se trata de um lugar turístico, mas nem por isto os habitantes deixam de ser educados. Portanto, quando o turista não quer comprar o que oferecem, respeitam e ainda se despedem com um sorriso.

Monumento aos Heróis da Independência

Antes mesmo de seguir pedalando, vale dar uma recorrida a pé pela cidade.

Assim, se chega ao Monumento aos Heróis da Independência, erguido pelo artista Ernesto Soto Avendaño, na colina de Santa Bárbara. A imagem em destaque é a do chasqui (mensageiro) indígena Pedro Socompa, que leva a notícia da liberdade ao povo.

As casas de adobe quadricentenárias estão por toda parte, algumas restauradas abrigando bares, cafés e hostels. À noite, há um espetáculo à parte quando lamparinas e lampiões, nas fachadas das casas, dão um toque sépia ao cenário. As pessoas, por sua vez, turistas ou não, estão às ruas, encantados pelo som de carnavalitos, com erke, charangobombo leguero, instrumentos da musicalidade folclórica regional.

Crianças de todas as idades, então, se permitem cantar e brincar no mesmo espaço, sem riscos, com segurança.

Muitos motivos para fazer cicloturismo em Humahuaca

Realizar cicloturismo em Humahuaca é um convite para deixar a cidade em direção ao mais rural dos interiores regionais daquele noroeste argentino. Os caminhos que adentram a Quebrada singram por meio da ravina, deixando o cicloturista entre paredões e as trilhas que cruzam o Rio Grande inúmeras vezes. A vontade que toma conta do cicloturista é de não parar de pedalar, a fim de ver tudo o que seja possível contemplar.

Na gastronomia, pratos à base de carne de lhama ensopada com ervilhas, humitas (tipo uma pamonha de milho) e cazuela de cordero com papas, são algumas das opções para todos os bolsos e paladares.

Os dias se passaram em meio à interação com várias pessoas que buscavam, como nós, o melhor da cena jujeña. A energia cultural desta linda localidade faz crer que o turismo pode trazer benefícios plurais para a comunidade.

Mais que tudo, em nenhum momento, se sente insegurança, então, os cicloturistas são bem-vindos. Neste aspecto, o Brasil tem que aprender muito com os países-irmãos sul americanos.

Fica o convite para conhecer este pedaço da Argentina pouco difundido, até mesmo, pelo próprio país.  Humahuaca e a Província de Jujuy, excelente destino para cicloviagens.

 

Por Therbio Felipe M. Cezar

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar