“Caixa para Guardar o Vazio” – OPINIÃO

81 views

Caixa para Guardar o Vazio é um projeto de Fernanda Fragateiro que conjuga a escultura, a performance e o envolvimento do espectador. Está em exibição até dia 10 de dezembro na Culturgest.

A escultura é uma grande caixa em madeira “que se desdobra e abre, revelando espaços interiores e exteriores e adquirindo diferentes configurações ao longo do percurso”, revela a artista plástica. “É um lugar para explorar com o corpo, num processo de descoberta individual ou coletivo”.

A estrutura combina a madeira, o aço e o espelho. O seu título “é revelador da mensagem que pretende passar: da importância do vazio no espaço habitado – no nosso quarto, casa, cidade, país, planeta”, confidencia a criadora. “Os vazios são lugares em espera que são ativados pela presença do nosso corpo”.

Fernanda Fragateiro diz que os bailarinos e o público fazem parte da escultura devido ao trabalho performativo concebido pela coreógrafa Aldara Bizarro e desempenhado por dois artistas.

O público alvo são as crianças e jovens, entre os 6 e os 14 anos. Mas a artista plástica assegura que “tanto a escultura enquanto objeto, como a escultura com a sua componente performativa, podem ser vistas e experienciadas por todos os públicos”.

Caixa para Guardar o Vazio foi criada para o Teatro Viriato de Viseu em 2005, mas desde então já percorreu o país. Quando questionada sobre as reações que foi despertando, Fernanda Fragateiro diz que “foi muitas vezes mencionada a palavra magia”. Ainda hoje, “passados 15 anos, numa época mais digital, as reações têm sido intensas e as pessoas parecem continuar a maravilhar-se”.

As inspirações para o projeto foram diversas. “No construtivismo, Vladimir Tatlin e El Lissitzky foram as minhas primeiras fontes, mas podemos também falar do minimalismo de Donald Judd”, afirma a artista plástica. Gordon Matta-Clark e Dan Graham foram também decisivos “pelas ligações com a arquitetura”. Fernanda Fragateiro acrescenta por fim que foi “fortem

ente influenciada pelo trabalho de Lygia Clark, que se revela no uso do tato para compreender a escultura”.

A obra foi produzida pelo Teatro Viriato e conta com o apoio da Culturgest, A Oficina, Teatro Aveirense, Câmara Municipal de Santa Maria da Feira e Teatro Municipal da Guarda e Centro Cultural de Belém.

Texto: Bárbara Barbosa

Fotografia: José Alfredo

Ads

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar