A PRAÇA DE LISBOA

1580 views

O mercado leiloeiro de arte e antiguidades de Lisboa permanece vibrante. O número de peças e o valor em circulação são surpreendentes para um país com o peso actual de Portugal na economia mundial. Mas este é um mercado que, em parte, não vive do país que é, mas sim do país que foi.

O negócio de objectos antigos e em segunda mão é tão antigo como a vida em sociedade mas a forma de funcionamento actual do mercado leiloeiro definiu-se na segunda metade do século XVIII, de mãos dadas com a generalização do gosto por antiguidades; das grandes vendas proporcionadas pelas constantes revoluções e contra-revoluções que, depois de 1789, aconteceram ao longo de todo o século XIX e XX e, tão relevante como estas, da constante transferência de riqueza para – e entre – a burguesia industrial, financeira e mais recentemente, tecnológica.

Ler na íntegra aqui

Por: João Júlio Rumsey Teixeira

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar