A Máquina Hamlet – Heiner Müller/Jorge Silva Melo

703 views

Mais de 40 anos depois de Heiner Müller a ter escrito, não é fácil definir A Máquina Hamlet. Indiscutivelmente, é um clássico do teatro moderno, uma peça que rompe com as regras daquilo que é a convenção teatral. Aliás, Jorge Silva Melo, que agora o traz a cena, elenca-o entre “os textos mais estranhos da História do teatro”, lado a lado com Os Cenci de Antonin Artaud e As Quatro Meninas de Pablo Picasso.

A peça vive nos escombros, “nas ruínas da história”, na agonia do homem que declara “eu era Hamlet”, naquele que é um premonitório anúncio da sua impotência para mudar o rumo da história. “Esse papel de força, até ai masculinizado, caberá à mulher, mais especificamente a Electra” (“ela é a violência sem a melancolia de Hamlet”), sublinha Silva Melo, recordando o monólogo final em que Ofélia, a submissa noiva de Hamlet, assume o papel da heroína da mitologia grega e evoca liderar a revolta contra o estado do mundo.

Com João Pedro Mamede no protagonista, o espetáculo conta com a participação especial do contrabaixista João Madeira, dando “substrato ao indizível” desta sempre fascinante obra-prima da dramaturgia ocidental.

 

Até 22 fevereiro 2020
ter: 19h; qua: 19h; qui: 21h; sex: 21h; sáb: 16h, 21h
Teatro da Politécnica
Fonte: agendalx

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar