«A Mandíbula de Caim»

780 views

Rafael Castanhas foi o primeiro leitor português a solucionar o enigma literário de Torquemada e irá receber o prémio de 1000 euros atribuído pela LeYa/Lua de Papel

Seis assassinatos. Cem páginas. Milhões de combinações possíveis… Mas apenas uma está certa. Rafael Castanhas foi o primeiro leitor português a apresentar os nomes dos assassinados e dos seus assassinos, a ordem correta das cem páginas da narrativa e uma pequena explicação dos moldes em que a solução foi obtida.

Um ano após a publicação, em Portugal, do mistério policial e mais difícil puzzle literário escrito até hoje, a LeYa/ Lua de Papel anuncia que o prémio monetário de 1000 euros alusivo ao concurso A Mandíbula de Caim vai ser atribuído a Rafael Castanhas, o primeiro leitor português (de um grupo restrito de 16) a solucionar o enigma literário escrito em 1934 pelo britânico Edward Powys Mathers (conhecido pelo pseudónimo de Torquemada) e redescoberto em 2019 por uma pequena editora britânica, tornando-se imediatamente um fenómeno de culto.

 

Seis assassinatos. Cem páginas. Milhões de combinações possíveis… Mas apenas uma está certa. Rafael Castanhas, de 23 anos, de Coruche, foi o primeiro leitor português de A Mandíbula de Caim a apresentar os nomes dos assassinados e dos seus assassinos, a ordem correta das cem páginas da narrativa e uma pequena explicação dos moldes em que a solução foi obtida. Ao vencer o concurso A Mandíbula de Caim, Rafael Castanhas vai receber o anunciado prémio de 1000 euros (atribuído pela LeYa/ Lua de Papel seguindo uma tradição antiga criada pelo próprio Torquemada) e ver o seu nome juntar-se à elite mundial dos amantes de puzzles literários.

 

As páginas de A Mandíbula de Caim foram impressas numa ordem completamente aleatória, sendo, no entanto, possível – através da lógica e de uma leitura inteligente – ordená-las corretamente, revelando assim as seis vítimas de assassinato e respetivos assassinos. Com páginas destacáveis, o livro permite que o leitor crie o seu próprio quadro de investigação, envolvendo-se na história e assumindo o papel de detetive.

 

Inúmeras tentativas de resolver este difícil e cativante quebra-cabeças têm vindo a ser partilhadas pelos leitores, o que deu azo ao aparecimento de comunidades online expressamente criadas para tentar desvendar o enigma de A Mandíbula de Caim – a nova tendência literária no TikTok e o mistério viral que muitos querem resolver.

 

O britânico Edward Powys Mathers (1892–1939), que assinou o livro A Mandíbula de Caim sob o pseudónimo Torquemada, foi poeta, tradutor e um pioneiro na compilação de palavras cruzadas crípticas. Nascido em Londres, estudou no Trinity College e distinguiu-se pelas traduções de As Mil e Uma Noites e do poema Black Marigolds. Em 1924 introduziu em Inglaterra as palavras cruzadas crípticas no jornal The Observer, atividade a que se dedicou até morrer. É autor dos livros Crosswords for Riper Years (1925) e The Torquemada Puzzle Book (1934), uma compilação de palavras cruzadas, quebra-cabeças e anagramas, cujas cem últimas páginas constituem o puzzle A Mandíbula de Caim. O livro viria a ser reeditado em 2019 por uma pequena editora britânica, a Unbound, e tornou-se entretanto um fenómeno viral. Desde então foi publicado numa dezena de países com extraordinário sucesso.

Traduzido do inglês por Inês Fraga, A Mandíbula de Caim está disponível nas livrarias com um PVP de 14,90€.

Fonte LeYa

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar