A flauta mágica

262 views

Corria o ano de 1824 e uma infestação de ratos havia atacado Hamelin. Um forasteiro apareceu na cidade reivindicando ser um caçador de ratos e ter a solução para a praga. O povo aludiu, aceitando pagar uma moeda por cada rato ao que o forasteiro acedeu. Com a sua flauta hipnotizou os ratos que em fila se dirigiram ao rio Weser onde naturalmente acabaram por morrer.

O Povo da cidade, alegando que não haviam sido apresentadas as cabeças dos ratos, faltou à promessa do pagamento acordado ao que o forasteiro reagiu umas semanas mais tarde, usando a mesma flauta para hipnotizar as crianças da cidade de Hamelin. Cento e trinta crianças foram trancadas numa caverna, deixando a cidade vazia.

A declaração do estado de emergência é uma coisa séria. Muito mais séria do que a leviandade com que muitos dos políticos e comentadores falam na televisão. Os governos dos países evitam esses estados (emergência, calamidade, de sítio, etc…porque atrás destes estados vêm associado um novelo jurídico gigante e com impacto quase incalculável. Desde logo, muitos contratos podem perder a sua legitimidade e conferir às partes a consequente rutura do mesmo. É que mesmo em contratos de 500 páginas, vem sempre por volta da pagina 498 o artigo chapa 5 e “copy paste” de quase todos os contratos destinado às “Termination Clauses”. Estas clausulas são tão banais, repetitivas e comuns que quem lê um contrato destes já quase só vê isto em oblíquo, e com os olhos a arder já que esta clausula é das ultimas. Ora este artigo para “terminação” do contrato incorpora Tudo aquilo que não é…no dia da assinatura…previsível pelas partes e como tal passível de ser considerado em contrato. Assistem a este artigo e sequente clausulas tópicos como PANDEMIAS, guerra civil, golpe de estado, terramotos, estado de sítio, etc… Eu próprio nunca liguei a esta cláusula até ter visto um ciclone de grau 5 atravessar mesmo pelo meio um gigantesco parque solar que havíamos terminado de construir no México…”shit happens”!

 

Por esta altura já estão a ver onde eu quero chegar: Sim, grande parte dos contratos ficaram com uma porta escancarada para as partes rescindirem o mesmo, e é legítimo que o possam fazer, porque o princípio é esse mesmo: Se uma das partes por razões não imputáveis e fora do seu controle não puder cumprir o contrato, não lhe deve ser imputada falha, mas sim a oportunidade de rescisão por falta de condições de cumprimento. É ir ver as apólices de seguro, onde provavelmente irão encontrar  essas mesmas exclusões ou “Termination Clauses” a abranger pandemias, estados de sítio, estados de emergência e cataclismos naturais.

Porque é que acham que saíram moratórias de bancos, de senhorios e afins?

Costa foi brilhante…e deu 10 a zero aos tantos que se deixaram levar por uma mão generosa coberta por uma luva de pânico e desinfetada pela vontade de fazer ainda mais do que o mal que já se fazia. O Layoff foi uma corda de salvação rápida para as empresas, mas foi também a maior prenda envenenada que os empresários receberam desde o 25 de Abril!

O estado de emergência foi anunciado com um imediato anúncio de oferta de “Layoff simplificado” e altamente comparticipado pelo estado. A alternativa do estado era nenhuma, até porque em estado de emergência e face ao impacto económico, o estado não tinha como impedir os despedimentos e consequente endereçamento dos trabalhadores para o fundo de desemprego. E os números aqui são mágicos: O estado gastaria os mesmos 70% de salário com cada trabalhador! O problema começa a surgir mais à frente. É que este Layoff tem a duração de um mês ou, no máximo 3 meses. E o que acontece no dia seguinte?

É que se durante o estado de emergência o empresário pode efetivamente ajustar a sua força laboral para a nova realidade ou aquilo que antevê que venha a ser a nova realidade, passado esse estado (como aconteceu passado 3 semanas) o empresário “perde” essa mesma janela e passa a reencontrar as habituais barreiras no que aos despedimentos diz respeito.

É que num estado de emergência não se rasgam as leis laborais, mas quase. Porque o empresário também tem o direito, e o dever, de zelar pela continuidade da empresa e do emprego e está mais do que claro que muitos deles terão que o fazer sob pena de fecharem as portas rapidamente e aí sim, atirarem todos para o desemprego.

Todos aqueles empresários que não tinham condições para pagar salários de Março e Abril e que foram socorridos e iludidos pelo “layoff simplificado” , apenas empurraram a parede para a frente porque a economia não vai recuperar em 30 dias mas acabado o Layoff estes empresários vão ter uma força laboral sobre dimensionada e custos para a empresa ainda mais desproporcionais.

Não foi à toa que os anúncios vieram a dois tempos. Primeiro o Layoff no primeiro decreto (e os critérios do mesmo demoraram o tempo que o governo queria ganhar), e nesse caso só empresas que não despedissem teriam acesso aos apoios,  e no segundo decreto veio o Marcelo puxar pela proibição generalizada do despedimento… Estão a ver o esquema não estão?

O proprietário do hotel com 100 funcionários e com perda de ocupação de 100% aderiu ao Layoff, achando que lhe estavam a dar a melhor oportunidade do mundo, o estado de emergência acabou (e com ele a tal janela de exceção em que poderia ter ajustado a sua equipa ao negócio presente e futuro) e agora os 100 funcionários aparecem para trabalhar ao fim de 30 dias num hotel vazio e perante um empresário agarrado às leis laborais e que já não pode despedir! A cilada estava montada e o empresário foi ao som da flauta direitinho ao rio. Se o turismo estiver em baixa pouco tempo…talvez se safe…se não, como se espera, vai perder o negócio e provavelmente vai mar adentro com os avais pessoais e tudo aquilo que um empresário normalmente compromete da sua vida. No final do dia, perde o empresário…mas lá mais à frente perde o colaborador porque aí é que não se safa mesmo nenhum.

Imaginem agora as fábricas de têxteis…com carteiras de encomendas vazias, e, mesmo que com elas cheias, sem matéria prima para produzir nos próximos 3, 4 ou 5 meses.

O que fizeram as grandes empresas? Deram a resposta adequada, pensada e assessorada por advogados competentes. Os pequenos empresários, a tal maioria, não foi a correr para os advogados mas sim para o contabilista e para a fila da segurança social. Viram em Costa e em todos os partidos políticos que o vassalaram, um amigo rápido, generoso e eficaz que tocava na sua flauta uma melodia hipnotizante com a música e fundo das Associações de empresários, sindicatos e afins onde toda a necessária informação e objetividade passam ao lado. É que as pequenas empresas são feitas de gente de trabalho, do dia a dia, da “marra”, e que sobretudo tendem a confiar no amanhã porque não têm conglomerados de empresas em que deixam cair uma e fica o resto. Para estes empresários, só existe uma…que persistirá amanhã, e depois, e depois.

O coice da economia vai aparecer muito à frente, porque os governantes empurraram mais uma vez os empresários para uma situação de dependência. Emprestaram-lhes dinheiro para eles não usarem a bomba atómica “estado de emergência”, e agora que ficaram novamente amarrados, eles que aguentem os custos futuros de mão de obra não ajustada…se aguentarem.

Montou-se a teia para empatar os empresários até que o estado deixasse de ser de emergência e passasse a ser o estado de sempre: O que trata os patrões como ladrões, o que vê as empresas como um mal necessário e não como um bem comum.

De tantas e tantas horas de comentadores na televisão…não vi um único que clarificasse tudo tal como tudo é, ajudando os empresários a decidir em vez de os empurrar para dentro do rio. São milhares de euros pagos à hora a gente apenas entretém fingindo que informa, e que dá opiniões que valem tanto como um saco de areia no deserto.

Ajudar os empresários era fundamental, porque a economia precisa deles, mas ajudar um empresário não é torna-lo refém mas sim dar-lhe a elasticidade que ele precisa para vingar, para crescer, para contratar. Apoiar um empresário não é atirar-lhe areia para os olhos aproveitando o pânico que gera uma loja, um hotel, uma fábrica vazios. É sim clarificar-lhe as opções, as ameaças mas também a oportunidade. Se o governo tivesse optado por apoiar diretamente as pessoas, libertando os empresários para acomodar novas realidades, talvez se salvassem menos empregos mas mais empresas…e essas empresas são as que gerarão emprego.

A União Europeia foi tão eficaz quanto sarcástica. Costa tocou a flauta enquanto esquerdas e direitas compunham o resto da orquestra e mais uma fez empurraram as nossas criancinhas e gerações futuras para a caverna da dívida…do que não se pode pagar.

Por Bernardo Mota Veiga

Ads

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

Se não pretender usar cookies, por favor altere as definições do seu browser.

Fechar